A+ / A-
revista de imprensa

Almaraz abre incidente diplomático entre Portugal e Espanha em Bruxelas

30 dez, 2016 - 11:33

Destaque esta sexta-feira para o incidente diplomático entre Portugal e Espanha por causa do cemitério de resíduos nucleares na central de Almaraz.
A+ / A-
Revista de Imprensa de temas europeus (30/12/2016)
Revista de Imprensa de temas europeus (30/12/2016)

Veja também:

É uma notícia a merecer amplo destaque esta manhã no site da Renascença, que reproduz declarações do ministro do Ambiente à agência Lusa. Matos Fernandes confirma que Portugal vai apresentar queixa formal em Bruxelas - contra Espanha, depois de o Governo de Madrid ter autorizado a construção de armazéns de resíduos nucleares na central de Almaraz, a 100 quilómetros da fronteira com o nosso país. O executivo acusa o homólogo espanhol de ter tomado esta decisão sem o necessário e obrigatório estudo de impacto ambiental e sem dar conhecimento a Lisboa. Matos Fernandes declara-se estupefacto e diz não haver outra alternativa a não ser a queixa em Bruxelas, porque Madrid agiu de forma ilegal.

Esta manhã é também notícia o reforço da guarda costeira europeia por elementos portugueses. Segundo o “Diário de Notícias”, “Portugal indica 47 peritos das forças policiais para a guarda costeira da União Europeia”. O jornal conta que este grupo especial de reserva, composto por 1.500 efectivos, foi criado pela Frontex – a Agência Europeia de Guarda de Fronteiras e Costeira – com o objectivo de apoiar os Estados-membros que se encontrem sob maior pressão migratória e de refugiados. Do lado português, a GNR é a força que mais efectivos disponibiliza a este efectivo que conta ainda com elementos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e da Polícia Marítima.

Nas páginas do jornal “Público” pode ler-se “Marine Le Pen vai vencer e a França vai sair do Euro”. A afirmação é de Claudio Borghi. O economista italiano dá uma entrevista ao jornal e diz acreditar que o projecto europeu está condenado e será recordado no futuro como “um monstro”, à semelhança do que aconteceu com a União Soviética. Borghi defende que “sair do euro é a única forma para voltar a crescer”. Já sobre o Brexit, este especialista adverte que – de momento – os mercados, que normalmente antecipam o que vai acontecer a seguir, estão tranquilos. A incerteza, diz Cláudio Borghi, “vem da União Europeia e não parte da Grã-Bretanha”.

Tudo isto acaba por pôr em causa a própria legitimidade do projecto europeu. É essa a chamada de atenção que é feita pelo “EU Observer”, que deixa um alerta para memória futura: os referendos são perigosos para a União Europeia. E basta ver que todos os que se realizaram em anos recentes, sobre Europa, resultaram invariavelmente na mesma resposta. E a resposta é ‘Não’.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.