O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Presidente francês perdoa mulher que matou marido violento

28 dez, 2016 - 20:10

Jacqueline deu um tiro no marido depois de décadas de violência doméstica. Estava a cumprir um pena de dez anos de prisão.
A+ / A-

O Presidente francês, Francois Hollande, concedeu uma amnistia a uma mulher condenada por assassinar o marido violento.

Jacqueline Sauvage deu um tiro no marido depois de décadas de violência doméstica. Foi condenada em 2012 a uma pena de dez anos de prisão.

As três filhas lançaram uma campanha para tentar obter um perdão presidencial, que reuniu 380 mil assinaturas.

“Uma longa batalha acabou agora, mas a nossa luta continua em nome de todas as outras mulheres”, declarou a advogada Janine Bonaggiunta.

Jacqueline Sauvage deixou esta quarta-feira a prisão, acompanhada por uma das filhas. A libertação já foi confirmada pelo gabinete do Presidente francês.

A amnistia acontece depois de, em Janeiro deste ano, François Hollande ter reduzido a pena desta mulher.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Simao
    29 dez, 2016 Porto 07:08
    Cheira a falso. O mausão morreu e a assassina está livre. História do lobo mau. Os lobos são maus...
  • Paul Ferna
    29 dez, 2016 Vila 02:24
    Não sabemos os detalhes dos acontecimentos, mas acredito que o presidente francês os tera avaliado e pesado bem. É uma historia triste, com um desfecho triste, mas acredito que colocar esta senhora em liberdade, junto das filhas é o minimo que se poderia fazer para minimizar o sofrimento desta familia. Não compreendo, como homens batem em mulheres, maridos em esposas, pais em filhos. A vida é demasiado curta, e a familia é o nosso maior bem, a maior fortuna. Estimar uma esposa e os próprios filhos é de homem, já maltratar é de verme. Que sejam felizes, pois a senhora já pagou bem caro o preço de ver-se livre do "diabo".
  • MA
    28 dez, 2016 Porto 23:51
    Soltar uma criminosa...só porque é mulher, só dum socialista.
  • Manuel Sá
    28 dez, 2016 Porto 23:35
    Muito bem. Só que devia ter liquidado o "marido" logo na primeira agressão .