RR
|
A+ / A-

“Luz da Paz de Belém” chega esta sexta a Lisboa

16 dez, 2016 - 15:38 • Ângela Roque

Escuteiros, movimentos e paróquias da diocese chamados a participar na cerimónia marcada para as 21 horas na Sé Patriarcal.

A+ / A-

A “Luz da Paz de Belém” vai ser acolhida esta noite, em Lisboa, pelo bispo auxiliar D. José Traquina, para que “entre conflitos, guerras e egoísmos, ninguém esqueça a mensagem de paz e amor que Jesus nos deixou”, sublinha um comunicado enviado à Renascença pelo Corpo Nacional de Escutas (CNE).

A “Luz da Paz de Belém” é uma iniciativa da emissora de rádio e televisão estatal da Áustria, em colaboração com os escuteiros daquele país. Começou por ser um projecto de solidariedade intitulado “Luz na Escuridão”, para apoiar crianças necessitadas. Desde aí que todos os anos uma criança austríaca vai recolher a luz na gruta da Natividade, onde Jesus nasceu, em Belém, e leva-a para a Áustria onde é partilhada numa grande cerimónia ecuménica, em Viena. Delegações de Escuteiros e Guias de toda a Europa participam nessa celebração, e levam depois a luz como “mensagem de paz” aos respectivos países, partilhando-a “em igrejas e casas particulares, hospitais, lares de idosos e prisões, lugares públicos e de importância cultural e política, ou outro qualquer lugar onde seja apreciado o seu significado”, sublinha o comunicado do CNE.

Sem nunca se apagar durante o percurso, a “Luz da Paz de Belém” chegou a Portugal trazida da Áustria por quatro representantes do Corpo Nacional de Escutas, que tinham à sua espera mais de 1.300 escuteiros. A cerimónia decorreu no último Domingo, em Évora, onde o arcebispo D. José Alves lembrou que a luz é o “símbolo mais rico” do nascimento de Jesus, e desafiou os participantes a acender “muitas velas” no coração de todos, como “sinal da presença de Cristo”, que se concretiza nas “obras” de cada um.

Aos escuteiros em particular pediu que saibam estar sempre “alerta para servir”, ajudando os outros a ter uma “vida melhor”, como “missionários da luz”.

A luz foi acolhida por representantes de todas as Regiões do Corpo Nacional de Escutas (CNE), o chefe nacional cessante, Norberto Correia, e por Ivo Faria, o novo chefe nacional que foi eleito no último dia 4. A iniciativa, que passa esta sexta-feira por Lisboa, vai estender-se depois a todas as regiões do país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.