A+ / A-
fora da caixa

Um europeu no posto mais importante da ONU

14 dez, 2016 - 20:30

António Vitorino e Pedro Santana Lopes analisaram, esta quarta-feira, a chegada do português António Guterres à liderança das Nações Unidas, a trágica situação da Síria e a questão dos mercados.
A+ / A-
Fora da Caixa (14/12/2016)
Fora da Caixa (14/12/2016)

António Vitorino analisa o discurso de Guterres para dizer que o ex-Primeiro-ministro teve a coragem de se focar em “diversos temas que às vezes escapam às Nações Unidas, como é o caso dos direitos humanos ou as alterações climáticas”.

Sobre as críticas implícitas ao antecessor Ban ki-Moon, Santana Lopes diz que “se fosse fazer um discurso redondo, perdia parte da legitimidade com que entra em funções. Ele tem que entrar com força e não pode nunca fazer de conta que não tem a força que tem. Se ele se fizesse parecer ao Ban ki-Moon ia parecer-se um bocadinho com o próprio (…) e ele é sinónimo de incapacidade política”.

“A questão do financiamento vai ser muito importante e vai ser preciso uma grande habilidade diplomática para limitar os estragos da baixa previsível da contribuição norte-americana e compensar essa quebra com um aumento das contribuições de outros países
à escala global”, explica António Vitorino.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.