|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Centenas de informáticos rejeitam colaborar com Trump em registo de muçulmanos

14 dez, 2016 - 16:16 • Filipe d'Avillez

Invocando situações como o Holocausto, o genocídio dos arménios ou o internamento de japoneses nos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, os informáticos dizem “nunca mais”.

A+ / A-

Perto de 600 informáticos americanos já assinaram uma carta aberta em que recusam determinantemente colaborar com a administração de Donald Trump no caso de esta avançar com um registo de muçulmanos, como foi prometido durante a campanha eleitoral.

Os informáticos rejeitam ainda a ideia de colaborar com qualquer forma de deportação em massa de pessoas “indesejáveis”, uma referência à expulsão de imigrantes ilegais, que Trump também prometeu levar a cabo se fosse eleito.

Os signatários da carta invocam grandes tragédias do século XX para justificar a sua posição, incluindo o Holocausto, o genocídio de arménios e do Ruanda.

“Educámo-nos sobre a história deste tipo de ameaças, e do papel desempenhado na sua execução pela tecnologia e seus profissionais. Vimos como a IBM colaborou para digitalizar e agilizar o Holocausto, contribuindo para a morte de seis milhões de judeus e milhões de outros. Recordamos o internamento de japoneses americanos durante a Segunda Guerra Mundial. Reconhecemos que a deportação em massa precipitou o evento que levou à invenção da palavra genocídio: o assassinato de 1,5 milhões de arménios na Turquia. Reconhecemos que os genocídios não são apenas uma relíquia do passado distante – entre outros os cidadãos do Ruanda e os muçulmanos na Bósnia foram vítimas nos nossos tempos.”

Estes profissionais, que ou trabalham nos Estados Unidos ou são funcionários de empresas sediadas na América, unem-se para dizer “não à nossa conta, nunca mais” e enumeram uma listagem de coisas que recusarão fazer, nomeadamente “participar na criação de bases de dados que identifiquem informações para que o Governo americano possa perseguir indivíduos com base na sua raça, religião ou naturalidade”.

Os nomes dos signatários estão todos visíveis ao público e por volta das 16h15, hora de Lisboa, numeravam 585. A carta aberta foi publicada na terça-feira, inicialmente com apenas 60 assinaturas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Miguel
    15 dez, 2016 lisboa 20:23
    Trump não precisa... Se for preciso paga a engenheiros informaticos russos.
  • costa
    15 dez, 2016 amarante 10:15
    Que o mundo aprenda com os erros, a vida não tem cor, religião, ou raça .