RR
|
A+ / A-

Governo sírio já celebra vitória em Alepo

12 dez, 2016 - 20:52 • Filipe d'Avillez

Últimos rebeldes na cidade estão reduzidos a uma bolsa de poucos quilómetros quadrados. “Têm pouco tempo. Ou se rendem ou são mortos”, diz general.

A+ / A-

Depois de meses de intensos combates, a cidade síria de Alepo está praticamente nas mãos das forças leais ao regime de Damasco.

Ao longo das últimas semanas soldados sírios, apoiados por milícias xiitas do Iraque, do Irão e do Líbano e também pela força aérea russa, foram apertando o cerco ao espaço da cidade – a segunda mais importante do país – ainda ocupado por grupos rebeldes, entre os quais se incluem vários grupos jihadistas com ligações à al-Qaeda. Mas nas últimas horas a situação dos rebeldes tornou-se insustentável, com vários bairros a cair em rápida sucessão.

Os rebeldes que restam na cidade estão encurralados num espaço de poucos quilómetros quadrados, sob fortíssimo bombardeamento e aparentemente sem qualquer possibilidade de resistência. Noutras partes da cidade os soldados pró-regime já celebram a vitória numa das mais duras e críticas batalhas da guerra civil, que caminha já para o seu sexto ano.

“Resta-lhes pouco tempo”, afirma o general Zaid al-Saleh, “terão de se render ou serão mortos”.

A libertação de Alepo pelo regime já está a ser considerado por alguns especialistas como o princípio do fim da guerra naquele país. Reconquistada a totalidade da cidade, o regime passa a dominar todas as principais cidades do país, assegurando as fronteiras com o Líbano, Israel e a Jordânia, bem como grande parte da fronteira com a Turquia.

Os rebeldes, que o Governo apelida de terroristas, ainda mantêm uma presença alargada no país, mas sobretudo nas zonas rurais. Raqqa, a sede do autoproclamado Estado Islâmico, é a única cidade significativa que foge à regra. A esmagadora maioria da população, bem como os grandes centros económicos e industriais da Síria, estão firmemente nas mãos de Bashar al-Assad.

Este cenário representa uma importante vitória para Assad, mas também para o Irão, para o Hezbollah, para os xiitas no Iraque e, sobretudo, para a Rússia, que no plano internacional sai por cima das potencias ocidentais que em larga medida apoiaram os grupos da oposição ao regime.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco
    13 dez, 2016 Tomar 21:28
    Pesada derrota do capitalismo neo liberal e da extrema esquerda internacional !