|
A+ / A-

Papa enviou carta a Bashar al-Assad

12 dez, 2016 - 19:24 • com Ecclesia

Francisco recorda condenação do Vaticano a qualquer forma de extremismo e terrorismo

A+ / A-

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, recebeu esta segunda-feira uma carta do Papa, na qual Francisco reforça a sua condenação a “qualquer forma de extremismo e terrorismo”.

A informação foi avançada pela agência de notícias oficial Sana, após uma audiência do chefe de Estado sírio ao núncio apostólico cardeal Mario Zenari, representante diplomático da Santa Sé em Damasco.

O Papa, refere a agência oficial, “exprime a sua solidariedade à Síria e ao seu povo, à luz das difíceis circunstâncias do país”, e pede que “se unam todos os esforços para colocar fim à guerra na Síria e restaurar a paz”, a fim de que o país possa ser um “modelo de coexistência entre culturas e religiões”.

Na sua missiva, Francisco apela ainda a que seja respeitado o direito internacional no país, que os civis sejam protegidos e que a ajuda possa chegar a quem mais dela precisa.

Assad tem estado no centro das atenções mundiais, nos últimos meses, por causa da sua campanha - bem sucedida - para controlar a totalidade da cidade de Alepo. Apoiado pela força aérea russa e por milícias xiitas do Irão, do Iraque e do Líbano, o líder Sírio está à beira de expulsar da cidade todos os rebeldes que se opõem ao seu regime. Vários países ocidentais criticam Assad e Moscovo pela ferocidade da sua campanha, que tem causado muitos mortos civis, mas o Governo responde acusando os rebeldes, que classifica como terroristas, de usarem os civis como escudos humanos

Bashar al-Assad, por sua vez, felicitou o núncio Mario Zenari por ter sido criado cardeal e saudou a decisão do Papa de mantê-lo o seu representante diplomático em Damasco.

Segundo a Rádio Vaticano, esta é a primeira vez na história moderna em que um núncio apostólico se mantém no seu posto diplomático após ser criado cardeal.

Este domingo, o Papa tinha alertado para a destruição de Alepo e desafiou a comunidade internacional a fazer uma “escolha de civilização” para pôr fim à guerra, que afecta em particular a parte leste da cidade síria.

Francisco disse que todos os dias está “próximo, sobretudo na oração”, das pessoas de Alepo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Catarina
    13 dez, 2016 Sesimbra 14:23
    Tomam, "vítimas de propaganda enganosa", até o Papa não vãi nela mas
  • Dias
    12 dez, 2016 Lx 23:11
    O Papa devia era mandar uma carta armadilhada, como é possível pactuar com um assassino como assad.
  • Antonio Costa
    12 dez, 2016 Belas 22:26
    "Mário" não tenha medo porque toda a gente sabe, a menos que sejam ignorantes e gostem de o ser" que foram os falcões dos EUA com os seus homens da CIA e com isso ganharam milhões e milhões de dólares e tentaram impedir que os Russos vendessem os seus produtos e tenologia. Esta Guerra da Síria e da Ucrânia deu milhões de milhões de lucros fáceis a esses falcões criminosos do EUA com a venda de armas e outros produtos embora um dos falcões viesse dizer em entrevista que o que venderam à Ucrania é que tem sido e é grande problema porque venderam a crédito e não sabem quando vão receber. O fim da Guerra será mais um desastre para os EUA e só esperamos que a UE quer perdeu muito com as sanções que os EUA não respeitam não continue a embarcar nessa dos embargos à Russia que nos criou problemas na Pecuária e na Agricultura e no Leite que não estão resolvidos. A Europa tem de ver os seus interesses e não dos falcões americanos.
  • Mario
    12 dez, 2016 Portugal 21:38
    Alguém desestabilizou a Síria porque tinha conveniência nisso assim como derrubou o Iraque e a Líbia mas isso não convém dizer é muito perigoso apontar o dedo aos verdadeiros culpados.