|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Mais 119 pessoas detidas por corrupção este ano

09 dez, 2016 - 10:29

Número foi revelado numa conferência que acontece no âmbito do Dia Internacional contra a Corrupção, esta sexta-feira.

A+ / A-

Veja também:



A Polícia Judiciária deteve 119 pessoas pelo crime de corrupção desde Janeiro deste ano, revelou o director nacional da PJ. Almeida Rodrigues falava na conferência "O combate à fraude e à corrupção", que decorre na sede da PJ, em Lisboa.

A conferência acontece no âmbito do Dia Internacional contra a Corrupção, que se assinala esta sexta-feira. Os ministros da Justiça e da Segurança Social e o secretário de Estado da Saúde participam na iniciativa.

Também o presidente do Conselho de Prevenção da Corrupção apelou ao investimento na prevenção e à denúncia pelos cidadãos e instituições de situações que “põem em risco a democracia” e criam “desigualdades”.

Abertos mais de 3.300 inquéritos

O Ministério Público abriu 3.360 inquéritos por corrupção e criminalidade conexa nos últimos dois anos judiciais, segundo o relatório divulgado pela Procuradoria-geral da República (PGR).

De acordo com o Relatório Síntese 2014-2016 sobre Corrupção e Criminalidade Conexa, quase metade (1.153) dos novos inquéritos abertos nos últimos dois anos dizem respeito a crimes de corrupção, seguidos dos crimes de peculato (836), abuso de poder (738), branqueamento de capitais (332) e participação económica em negócio (162).

Foram igualmente abertos nos anos judiciais 2014/2015 e 2015/2016 novos inquéritos por crimes de tráfico de influência (56), administração danosa (52) e recebimento indevido de vantagem (31).

De acordo com o documento, os novos inquéritos por corrupção foram os que mais subiram, passando de 536 no ano judicial 2014/2015 para 617 em 2015/2016, seguidos pelos de peculato (de 379 para 457) e abuso de poder (de 367 para 371).

Em sentido contrário, baixaram os novos inquéritos por branqueamento (de 170 para 162), participação económica em negócio (de 87 para 75), tráfico de influência (de 28 para 25), administração danosa (de 32 para 20) e recebimento indevido de vantagem (de 20 para 11).


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mario
    09 dez, 2016 Portugal 13:35
    Num País onde o compadrio e as cunhas estão em primeiro lugar sem se olhar à competência, profissional é lógico que é um país socialmente corrupto à nascença.
  • Jucaral
    09 dez, 2016 C Branco 12:30
    A corrupção está em tudo. Quantos funcionários estão no seu lugar por mérito próprio e não por uma cunha? Investiguem sem olhar à cor política.
  • tuga
    09 dez, 2016 lisboa 10:53
    Se for peixe miúdo é preso e condenado!!! se for peixe graúdo, que não é de certeza, já está solto e fica tudo em águas de bacalhau!!!