A+ / A-
revista de imprensa

Itália: as cenas dos próximos capítulos

06 dez, 2016 - 11:36

​O jornal “Público” abre o segundo capítulo da série “Europa em crise”, ainda por causa das consequências políticas do referendo italiano. E descreve 2016 como “O ano da mortalidade dos líderes europeus”.
A+ / A-
Revista de imprensa de temas europeus (06/12/2016)
Revista de imprensa de temas europeus (06/12/2016)

O “Público” lembra que, ao longo do ano, “Londres, Paris e Roma sofreram terramotos políticos que decapitaram as suas lideranças de uma forma inédita”. A única sobrevivente é Angela Merkel que, escreve o jornal, “é agora a última das europeístas num grande país da União”.

Ainda no “Público”, a jornalista Sónia Sapage deixa a pergunta “Cimeiras dos países do Sul da Europa, que futuro?”. Na fotografia, de arquivo, o diálogo entre António Costa e Angela Merkel: “Portugal precisa de Renzi para travar a austeridade do norte europeu”, pode ler-se na fotolegenda deste artigo que conclui que sem o apoio do Primeiro-ministro italiano demissionário, “a onda anti-austeritária que prometia varrer a Europa a partir do Sul perde força”.

O “Diário de Notícias” pergunta: “Esquerda europeia, vítima dela própria ou dos populismos?”. O jornalista do “DN”, Leonídio Paulo Ferreira, escreve que “dos seis maiores países da União Europeia, ainda contando com o Reino Unido, a esquerda só governa dois. E pode perdê-los já em 2017”. Alguns exemplos: desde logo a Alemanha, onde Merkel é favorita para um quarto mandato; a França, onde a impopularidade de Hollande abala a Esquerda; no Reino Unido, os conservadores dominam, apesar do brexit. Quanto à Itália pós-Renzi, pode ser a sorte grande para o Movimento 5 Estrelas de Beppe Grillo, que quer “livrar a Itália da classe política tradicional”.

Por cá, António Costa espera abertura por parte da União Europeia para discutir a dívida depois das eleições alemãs do próximo ano. É notícia em destaque no site da RTP, depois da entrevista da última noite. O Primeiro-ministro lembra que a União Europeia “não pode continuar a ignorar um problema que exige uma resposta integrada”. Ainda assim, Costa considera “inútil e contraproducente ser Portugal a abrir esse debate (sobre a dívida) antes a União o fazer. O Chefe do Governo defende que as regras devem ser mudadas. Mas enquanto não forem mudadas” são para cumprir – pode ler-se no site da rádio e televisão pública.

De regresso ao “Público”, mas na edição online, a União Europeia lança um “Corpo de Solidariedade para jovens até aos 30 anos”. A partir de amanhã, quarta-feira, os jovens entre os 18 e os 30 anos podem inscrever-se para uma experiência como voluntários, estagiários ou trabalhadores. Basta aceder ao site da representação da Comissão Europeia em Portugal. Está lá tudo o que é preciso saber.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Pais
    06 dez, 2016 Lisboa 11:51
    A UE tal como está, é um paraíso de tachos e tecnocratas. Não "governam" para os povos europeus, pelo contrário! A solução são os partidos nacionalistas, antes apelidados de extrema-direita, nazis, etc pela comunicação social do sistema. Felizmente esses apelidos têm vindo a ser desmentidos. Estes partidos defendem uma outra Europa! É só ler o programa político de um destes partidos, concretamente o Partido Nacional Renovador, sem ideias pré-concebidas, e entendemos o que se passa! Seguramente vão colher informações diferentes do que vos querem transmitir os média, e os políticos do tacho do sistema! #renovarportugal