O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Marcelo valoriza classificação de barro de Bisalhães e falcoaria pela UNESCO

01 dez, 2016 - 17:24

Escolha da olaria negra de Bisalhães é particularmente significativa, uma vez que a prática se encontra em perigo de extinção, diz Presidente.
A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, publicou esta quinta-feira duas notas na página na Internet onde valoriza a decisão da Unesco de classificar a olaria negra de Bisalhães e a falcoaria portuguesa como Património da Humanidade.

No que refere à arte da falcoaria, o chefe de Estado felicitou o município de Salvaterra de Magos e assinalou: “Na sequência de outras decisões recentes, trata-se de um incentivo para o reconhecimento de uma prática ancestral, que neste caso remonta à Idade Média, e que importa preservar”.

Já no que toca ao barro preto de Bisalhães, Marcelo Rebelo de Sousa congratulou Vila Real e declarou que esta distinção é “tanto mais importante quanto esta olaria transmontana, com raízes quinhentistas, se encontra ameaçada de extinção”.

E deixou um apelo: “Que a escolha da Unesco seja um incentivo para que se preserve uma actividade que já era, aliás, Património Cultural Nacional”.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) aprovou as candidaturas do “processo de confecção do barro preto de Bisalhães”, apresentada pelo município de Vila Real, e “Falcoaria, património vivo da humanidade”, liderada pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, durante a 11.ª sessão do Comité do Património Cultural Imaterial, em Adis Abeba, na Etiópia.

Estes foram, respectivamente, o 5.º e o 6.º bens a serem classificados como património imaterial da Humanidade, seguindo-se ao fado (o primeiro bem de Portugal a integrar esta lista, em 2011), à dieta mediterrânea, ao cante alentejano e ao processo de fabrico do chocalho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Surto de afectos
    02 dez, 2016 Lisboa 11:50
    Sim, sempre é melhor do que o constante surto de afectos com que nos deparamos nas aparições de Sua Ex.a