O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

MNE não viu "descortesia" aos reis espanhóis no Parlamento

01 dez, 2016 - 13:36

A atitude do Bloco de Esquerda suscitou críticas, nas redes sociais, nomeadamente de deputados do PS e do PSD, que acusaram os bloquistas de falta de educação e de desrespeito aos monarcas espanhóis.
A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse este sábado não ter visto qualquer "sinal de descortesia ou de menos cortesia" por parte de grupos parlamentares para com os reis de Espanha, na sessão solene esta quarta-feira.

"Não vi nenhum sinal de descortesia ou de menos cortesia no parlamento", afirmou o chefe da diplomacia portuguesa, questionado pela Lusa sobre a decisão dos deputados do Bloco de Esquerda de permanecerem sentados e sem aplaudir o discurso de Felipe VI na Assembleia da República, esta quarta-feira, no terceiro e último dia de uma visita de Estado dos reis espanhóis a Portugal.

No final do discurso, os deputados comunistas levantaram-se, mas não aplaudiram, enquanto as bancadas parlamentares do PS, PSD e CDS-PP saudaram a intervenção do rei espanhol com aplausos e de pé. Os membros do Governo também bateram palmas.

Um aplauso que, comentou o ministro, foi "particularmente vibrante" e que se prolongou por "muitos minutos", como uma demonstração da "grande simpatia" pelo chefe de Estado espanhol.

A atitude do Bloco de Esquerda suscitou críticas, nas redes sociais, nomeadamente de deputados do PS e do PSD, que acusaram os bloquistas de falta de educação e de desrespeito aos monarcas espanhóis. Os eleitos do BE também não participaram na sessão de cumprimentos a Felipe VI e Letizia.

Santos Silva referiu que, quer quando os reis entraram no hemiciclo quer quando foram tocados os hinos português e espanhol, todas as bancadas parlamentares se levantaram.

Sobre a reacção ao discurso do rei, o ministro afirmou que os deputados "aplaudem ou não aplaudem, de pé ou sentados, na medida do entusiasmo que o discurso lhes suscita". "Era o que faltava estarmos todos obrigados a aplaudir", disse.

Os reis de Espanha visitaram Portugal entre segunda e quarta-feira, tendo passado pelo Porto, Guimarães e Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jota
    02 dez, 2016 11:53
    O be não prestou vassalagem ão rei, é uma verdade, e ão Fidel ? Isso chama-se o quê? A passagem do testemunho ão irmão que nome tem? Será essa a democracia do bloco.Há... mas isto é desnorte dos Pafiosos tristeza.
  • Luis
    02 dez, 2016 Lisboa 11:14
    Epá, os comentários fazem prova do desespero e do desnorte dos Paflhados Pafiosos. Uns querem enforcar a malta do BE por não ter prestado vassalagem ao Rei. Outros querem pendurar pelo pescoço o Marcelo por ter prestado vassalagem ao Rei. Pelo vistos o Emplastro de Massa Má pegou a "pafioazia" a toda a malta pafiosa pafalhada. Rui Rio vai ter muito trabalho a limpar tanta inutilidade.
  • Luis
    02 dez, 2016 Lisboa 11:07
    Nunca pensei que a nossa direita boçal fosse tão sensivel. Não foi um acto simpatico mas daí a ser descortês vai uma grande distancia. Como a nossa direita parola vive bem com a subserviência todas as vezes que precisa de atingir os seus objectivos sente-se incomodada com aqueles que são fieis aos seus principios mesmo que esses princcipios possam ser questionados. Vestem-se de democratas, apenas.
  • ao fernando valente
    02 dez, 2016 lis 10:22
    Para diplomata, você não servia!...Talvez para a diplomacia do croquete!
  • Pedro Godinho
    02 dez, 2016 Lisboa 09:16
    Não fosse o PS precisar do BE como de pão para a boca e a posição do Senhor Ministro seria outra, claro. E se fosse o Fidel Castro a ser recebido no Parlamento já PCP e BE se levantavam e aplaudiam compulsivamente. Estranha forma de vida...
  • Fernando Valente
    01 dez, 2016 Viana do Castelo 20:12
    Sinto nojo de ler um comentario assim do ministro dos negocios estranjeiros´.vem do berço´não confundas formação com educação.játens idade para ser mais educado.
  • mais chicana
    01 dez, 2016 lis 20:09
    politica dos direitolas e dos seus media avençados!...Os irrevogaveis não se cansam!
  • Carlos da maia
    01 dez, 2016 Lisboa 19:02
    A muitos anos que tenho casa em Madrid , e é com tristeza que oiço dos meus amigos espanhóis o seguinte comentário: vocês são um povo simpático o vosso país e precioso , mas o problema é que não tem educação. Dou-lhes realmente toda a razão aquilo que se passou no parlamento foi vergonhoso, não podemos ser representados por uma cambada de arruaceiros e labregos sem educação . Ser de esquerda não e ser labrego e ter falta de educação. Quer queiramos quer nao o Rei de Espanha representa o povo espanhol. Até o fidel de Castro quando se deslocou a Portugal e Espanha pôs fato e gravata apesar desse não ser o seu traje habitual, por uma questão de respeito fê-lo. Quanto ao comentário de Pedro Rodrigues talvez fosse bom releres a história porque acho que o franco não era rei mas presidente de uma república quando em Espanha não havia monarquia, e foi a monarquia que encetou o caminho da democracia que hoje existe em Espanha. Sabes e que eu vivia em Espanha nessa altura.
  • Americo
    01 dez, 2016 Leiria 18:53
    Boa tarde. Quem não tem educação, acham que devia ver "descortesia" do BE perante o monarca Espanhol ? São todos da mesma "laia".
  • Antonio Carvalho
    01 dez, 2016 VN Famalicão 18:36
    Boa tarde, então o MNE (ministro) não viu "descortesia" aos reis de Espanha, deve ter necessidade de ir ao oftalmologista, sem mais comentários,