O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Lixo de Itália proibido em aterro de Setúbal

30 nov, 2016 - 20:20

A Inspecção-Geral do Ambiente detectou eventuais irregularidades nas amostras recolhidas e analisadas em laboratório.
A+ / A-

Foi proibida a deposição em aterro dos resíduos provenientes de Itália que tinham como destino o Centro Integrado de Tratamentos de Resíduos Industriais (CITRI), na zona industrial da Mitrena, em Setúbal.

A Inspecção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) detectou eventuais irregularidades nas amostras recolhidas e analisadas em laboratório.

Existem parâmetros que suscitam dúvidas em relação ao lixo italiano, nomeadamente o parâmetro do carbono orgânico dissolvido.

Até que todas as dúvidas sejam cabalmente esclarecidas, o Centro Integrado de Tratamentos de Resíduos Industriais é obrigado a reter os resíduos que recebeu, impedindo a sua deposição em aterro.

Se as irregularidades se confirmarem, os resíduos provenientes de Itália poderão ter que ser devolvidos ao seu destino de origem ou transferidos para um centro de tratamento com licenciamento para este tipo de resíduos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • De Mattos Sébastien
    30 nov, 2016 Ortiga 21:20
    Obrigado ao Ministério do Ambiente. Obrigado também aos médias por terem levantado este pertinente assunto (lebre...). De qualquer forma será importante saber-se quais os aterros onde terão estado a ser depositados resíduos deste tipo e eventualmente outros ainda mais perigosos. Refiro-me nos últimos 20 anos claro pois houve demasiada facilidade nestes controlos. Já agora têm sido recebidos resíduos deste género e descarregados na zona de Torres Novas e que depois origina escorrências de lixiviados que vão tombar nos ribeiros e rio Tejo. Nós tivémos aterros que viram a sua capacidade de encaixe esgotada em demasiado pouco tempo-face ao planeamento- o que nos leva todos a interrogar e reflectir o que terá estado a ocorrer nos nossos aterros.!? https://sos-riotejo.blogspot.p....