A+ / A-

Quinze projectos vencem prémio BPI Solidário

08 nov, 2016 - 20:16 • Ângela Roque

Três dos projectos sociais distinguidos com o prémio estão ligados aos Jesuítas.
A+ / A-

Veja também:


Quinze projectos sociais foram distinguidos com o novo prémio anual BPI Solidário, com um valor global de 500 mil euros.

Um total de 335 projectos e instituições candidataram-se à primeira edição do prémio, criado para melhorar as condições de vida de pessoas que se encontrem em situação de pobreza e de exclusão social.

Três dos projectos sociais distinguidos com o prémio estão ligados aos Jesuítas, sublinhou, esta terça-feira em comunicado, a Companhia de Jesus.

Um deles é o “Corações de Mãe”, criado para promover as competências parentais e profissionais de mulheres imigrantes com filhos a cargo, sem recursos, formação, nem retaguarda familiar. É desenvolvido pelo Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), que assume neste momento a gestão executiva da PAR (Plataforma de Apoio aos Refugiados).

Foi também distinguido o programa "Bê-á-bá Doméstico" que os jesuítas desenvolvem no Centro Comunitário São Cirilo, no Porto, e que forma e ajuda a reintegrar no mercado laboral mulheres imigrantes.

O projecto "Dar Alta", desenvolvido pelo Centro Social da Musgueira – Padre José Manuel Rocha e Melo, foi outro dos premiados. Esta é uma IPSS que não pertence à Companhia de Jesus mas integra a rede e obras sociais dos jesuítas em Portugal.

O prémio distinguiu também a Fundação Santa Rafaela Maria, da Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, que são também de espiritualidade inaciana. A instituição promove acções de integração social e profissional aos moradores do bairro Quinta da Fonte da Prata, na Moita, que se encontrem em situações de pobreza extrema.

A sessão de entrega dos prémios decorreu esta segunda-feira no Centro Cultural de Belém.

Entre as 15 instituições distinguidas estão também:

  • Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro;
  • Associação Cultural Moinho da Juventude, que actua no Bairro da Cova da Moura, na Amadora;
  • Associação CAIS, que ajuda à integração no mercado de trabalho de desempregados de longa duração, e que estejam em situação de carência social e económica extrema;
  • Comunidade Vida e Paz, pelo programa de reabilitação dos sem abrigo;
  • Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, pelo projecto das hortas solidárias em prisões;
  • Fundação do Gil, com o projecto pioneiro que garante a prestação de cuidados de saúde continuados e paliativos ao domicílio a crianças com doença oncológica;
  • Fundação Madre Sacramento – Equipa ERGUE-TE, das Congregação das irmãs adoradoras, que na região de Coimbra resgata das ruas e promove cuidados de saúde primários a mulheres em situação de prostituição;
  • GRATO – Grupo de Apoio aos Toxicodependentes, que em Portimão acolhe e acompanha pessoas em situação de vulnerabilidade;
  • MDV – Movimento de Defesa da Vida, que ajuda as famílias em risco de exclusão social e com menores a cargo a organizar a vida e a evitar a institucionalização dos filhos;
  • Ponto de Apoio à Vida, que ajuda a formar jovens mães solteiras na prestação de serviço doméstico, cuidado com crianças, idosos e dependentes, visando a sua integração profissional;
  • Re-Food 4 Good, que actua em vários pontos do país no combate à fome e ao desperdício alimentar, mobilizando as comunidades locais.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Marta Neves
    08 nov, 2016 Coimbra 23:16
    Gostaria de solicitar que fosse adicionado na reportagem o link da entrevista realizada a Equipa ERGUE-TE pela Renascença em março de 2015, pela jornalista Liliana Carona (reportagem nomeada para a ediçao de 2016 do prémio de jornalismo Direitos Humanos & Integraçao) - http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=29&did=179998