A+ / A-

Lisplay, os óculos de realidade aumentada 100% portugueses

03 nov, 2016 - 18:12 • Carolina Bico

A Lusovu foi uma das startups escolhidas para apresentar o Lisplay, um protótipo de óculos de realidade aumentada, na Web Summit.
A+ / A-

Desenvolver sistemas de realidade aumentada que permitem que o utilizador obtenha uma visão virtual do mundo. É o objectivo da Lusovu, criada em 2013.

Inserida no grupo Lusospace, a empresa especializada na elaboração de produtos espaciais “já tinha começado a trabalhar na área da realidade aumentada aplicada aos astronautas”. “Por isso, entendemos que poderíamos criar outras aplicações no sector terrestre”, explicou à Renascença Ivo Vieira, director executivo da Lusovu.

Do ramo aeroespacial à criação de tecnologias ópticas foi um pequeno passo. Partilhando recursos humanos e materiais com a Lusospace, a jovem empresa composta por 30 funcionários rapidamente iniciou o desenvolvimento de projectos inovadores, no sentido de irromper com as tecnologias 2D e 3D já existentes no mercado.

Nesse sentido, actualmente a startup portuguesa está a desenvolver “uma tecnologia disruptiva chamada Lisplay, muito melhor que a Google Glasses, devido a duas características principais: maior campo de visão e elegância”, destacou Ivo Vieira.

No caso dos óculos desenvolvidos pela Google, o campo de visão é de 14 graus. Já os óculos concebidos pela Lusovu têm cerca de 60 graus e quatro a cinco milímetros de espessura. A outra característica diferenciadora prende-se com o realismo dos óculos.

“Os nossos parecem mesmo óculos verdadeiros, ao contrário dos outros sistemas, que os tornam volumosos e pouco bonitos”, diz o director executivo da Lusov.

Existem duas versões do produto: uma com um filtro escuro para se parecer mais com óculos de sol e outra com um vidro totalmente transparente, de modo a que se vejam os olhos das pessoas.

Em virtude do carácter inovador da tecnologia, a Lusovu foi uma das 67 empresas escolhidas para integrar a iniciativa Road 2 Web Summit do programa Startup Portugal. “Fomos escolhidos para estar no evento a mostrar a todos os participantes que estes óculos são bastante disruptivos comparativamente ao que já existe a nível mundial”, frisou Ivo Vieira.

A tecnologia Lisplay, que vai ser apresentada numa das maiores feiras tecnológicas do mundo não é um produto com patente registada, é apenas um protótipo do projecto. "Ainda não existe nome para os óculos, mas para a tecnologia. Chama-se Lisplay, porque a própria lente é um 'display', que define tudo no mesmo objecto, o que constitui a principal inovação em relação a todas as outras marcas”.

Para já, o próximo passo é registar a patente do invento para que posteriormente possa ser comercializado noutros países, daí a importância de ser apresentado na Web Summit 2016.

A Web Summit vai decorrer entre os dias 8 e 10 de Novembro no Meo Arena e na Feira Internacional de Lisboa (FIL). A organização do evento tecnológico espera receber mais de 50 mil participantes provenientes de mais de 150 países, incluindo mais de 20 mil empresas, sete líderes empresariais e cerca de dois mil jornalistas internacionais.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ADISAN
    04 nov, 2016 Mealhada 16:49
    Mas... a realidade é que é aumentada 100% ou os óculos é que são 100% portugueses. Cada vez sou mais analfabeto em português, pois cada vez entendo menos!!!