O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

CERN veio a Portugal pedir ajuda para caçar hadrões

02 nov, 2016 - 22:50

É necessário encontrar o equipamento ideal que permita aumentar o número de partículas de Higgs produzidas pelo acelerador de partículas mais potente do mundo. Um projecto que estará concluído em 2026.
A+ / A-

A Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, ou CERN, esteve em Portugal, na 2ª edição do “HiLumi Industry Day”, para encontrar parceiros industriais para o “High Luminosity”, o seu novo projecto que tem em vista o aumento da performance do LHC, o acelerador de partículas mais potente do mundo.

O professor Lucio Rossi, líder do “High Luminosity”, veio a Portugal com o objectivo de encontrar parceiros industriais que queiram participar na reestruturação do acelerador.

Basicamente, é necessário encontrar o equipamento ideal que permita aumentar o número de partículas de Higgs produzidas pelo LHC. Um projecto que estará concluído em 2026.

O professor deu um exemplo da importância deste projecto: “O ‘High Luminosity’ quer dizer que, supondo que o LHC é uma sala que estamos a observar com uma pequena lâmpada de 20 watts e, de repente, acendemos a lâmpada e ela tem 200 watts, dez vezes mais luminosa. Seremos capazes de ver muitas mais coisas e melhores detalhes.”

O “Large Haldron Collider”, em português, o Grande Colisor de Hadrões, é um acelerador de partículas e o maior instrumento científico do planeta. É um túnel subterrâneo construído em círculo, a 100 metros de profundidade, com 27 quilómetros de comprimento, entre a fronteira da Suíça com a França.

O professor Rossi explica o seu funcionamento: “Nós tiramos os protões, o núcleo do átomo de hidrogénio, e depois aceleramo-los à velocidade da luz… e damos a estas partículas muita massa, muita energia, de forma a que, quando elas colidem, criamos condições muito próximas das do Big Bang.”

Em 2012, uma dessas colisões confirmou a existência do Bosão de Higgs, a partícula que explica a origem de toda a matéria. Esta descoberta era um dos objectivos que levou à construção do acelerador de partículas e que deu ao físico Peter Higgs o Prémio Nobel da Física, em 2013.

O CERN está agora debruçado sobre novos desafios, nomeadamente perceber o que é a matéria negra. Segundo o professor, a única coisa que se sabe sobre esta matéria é que ela existe, nada mais; daí ser precisa muita mais luz para desvendar este novo mistério da ciência.

Em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia, a 2ª edição do “HiLumi Industry Day” realizou-se pela primeira vez fora do CERN, na Suíça, e decorreu no passado dia 31 de Outubro, no Centro de Congressos do Instituto Superior Técnico, em Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.