O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

António Costa. Adicional ao IMI garante mais seis anos de equilíbrio na Segurança Social

19 out, 2016 - 22:41

Secretário-geral socialista afirmou que o Orçamento para 2017 surge num contexto de "maior confiança".
A+ / A-

O primeiro-ministro diz que o adicional do IMI, que se vai aplicar ao património imobiliário acima dos 600 mil euros, vai permitir aumentar em seis anos o equilíbrio do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social.

António Costa garantiu, numa sessão de esclarecimento sobre o Orçamento do Estado para 2017, que foi alargado para "meados da década de 40" deste século e não para "pagar um aumento de pensões", assegurou.

O secretário-geral do PS afirma que o Orçamento para 2017 surge num contexto de "maior confiança", após "sucessivas provas" a que o Governo foi sujeito ao longo deste ano, mas também num quadro de maior exigência.

Sem nunca se referir directamente às múltiplas negociações que o seu executivo teve com Bruxelas ao longo deste ano, o primeiro-ministro defendeu que a proposta de Orçamento do próximo ano "desenvolve-se num contexto de maior confiança".

António Costa, porém, logo a seguir, advertiu que à medida que o Governo progride na legislatura, o exercício orçamental "vai sendo também cada vez mais exigente".

Na abertura da sua intervenção, o líder socialista reiterou a ideia de que o défice deste ano ficará abaixo dos 2,5% estabelecidos pela Comissão Europeia, "o resultado mais baixo ao fim de 42 anos de democracia", e que haverá em 2017 novo aumento do salário mínimo.

"Esperamos que o valor resulte de um acordo em sede de concertação social", declarou António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Domingos
    20 out, 2016 Ancora 08:36
    Isto só pode ser uma brincadeira do Senhor Primeiro Ministro. Todos sabemos que o imposto sobre imobiliário é para tapar buracos na S Social no presente e não para a década de 2040. Isto prova a insustentabilidade da Segurança Social. Porquê esta vontade em enganar o povo?
  • joao123
    20 out, 2016 lisboa 07:10
    6 anos...whau... , então está tudo resolvido...
  • PUB