O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Energia. Já mudou para o mercado liberalizado? Sabe até quando o pode fazer?

19 out, 2016 - 08:37 • Fátima Casanova

A Renascença abriu um “Espaço do consumidor” para responder a todas as pequenas dúvidas que surgem no dia-a-dia. O primeiro tema foi o mercado de electricidade.
A+ / A-

Veja também:


Mais de quatro milhões e meio de clientes já mudaram para o mercado livre de energia, mas ainda há um milhão e meio de consumidores que não o fizeram. O prazo é 31 de Dezembro de 2017.

Até lá, deverá escolher um novo comercializador/fornecedor. Para tal, pode consultar a lista que está no site da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e comparar as propostas.

Factores a considerar

  • Preços
  • Duração do contrato
  • Periodicidade da facturação
  • Condições de pagamento
  • Serviços oferecidos

Feita a escolha e assinado o contrato, é o novo comercializador trata de tudo.

Importante: pode mudar de comercializador de electricidade, as vezes que quiser e sem quaisquer encargos associados.

Que vantagens ao nível do tarifário?

No mercado liberalizado, os tarifários são definidos livremente pelas empresas, que muitas vezes oferecem descontos e fazem campanhas para a captação de clientes. Pode, portanto, haver vantagens na mudança.

Para quem ainda não mudou, as tarifas são fixadas pela ERSE, que já propôs um aumento de 1,2% para o próximo ano.

O “Espaço do consumidor” vai para o ar às terças e quintas-feiras, pouco depois das 14h30. No dia 20, o tema da electricidade volta a estar em destaque, desta vez para ajudar a ter uma factura de electricidade mais amiga da carteira.

Poupar nos impostos, problemas com facturas e comissões bancárias são outros assuntos que vão ser explicados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.