|
A+ / A-

​Entre o heavy metal e um Ave Maria, um musical para Fátima

14 out, 2016 - 20:18 • Paula Costa Dias

"Entre o Céu e a Terra" é apresentado este fim-de-semana, no Santuário de Fátima.

A+ / A-

O Santuário de Fátima apresenta neste fim-de-semana, no Centro Pastoral Paulo VI, o musical “Entre o Céu e a Terra”.

Fruto de um convite do santuário à Elenco Produções, o espectáculo cruza o passado com o presente, abordando temas da actualidade como a emigração ou o envelhecimento, num olhar voltado para os peregrinos. O elenco inclui nomes como Sofia Escobar, Sofia de Portugal e Joel Branco.

Bruno Galvão, produtor executivo, adianta que, apesar de terem passado 100 anos, Fátima “é um tema muito presente”. E o desafio foi “trazer estes valores, esta mensagem de fé, oração, paz e solidariedade para o palco”. Tentaram, por isso, criar “um espectáculo contemporâneo, com uma linguagem actual”, com uma “abordagem musical desde o heavy metal até à música clássica, terminando com um Ave Maria”.

Para o reitor do santuário de Fátima, que nesta quinta-feira viu, pela primeira vez, o espectáculo, o musical vai ao encontro do que se pretendia. Segundo o padre Carlos Cabecinhas, o musical “tem o grande mérito de unir quadros da vida contemporânea, quadros que mostram as dificuldades, os desafios, as situações em que tantas vezes nos vemos envolvidos, sempre num horizonte de esperança”.

Também o patriarca de Lisboa gostou do que viu. No final da estreia, em declarações à Renascença, D. Manuel Clemente considerou a encenação muito interessante porque “pega muito criativamente e muito sugestivamente no tema de Fátima”. “Nem sempre é fácil pegarmos num tema que já está tratado, e com uma mensagem muito forte e traduzi-lo por cena, por palavras, por música, numa linguagem tão actual”, argumentou o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa.

O espectáculo integra 19 actores, cantores e bailarinos, além de uma orquestra ao vivo, e utiliza recursos tecnológicos associados ao desenho de luz, som e sonoplastia.

Clara Vieira, de apenas 12 anos, estreou-se no primeiro dia, desempenhando o papel da jovem Inês. Diz que “é como se fosse um sonho”. “Agora acredito mais”, afirma a jovem, que não conhecia a fundo a história das aparições.

Samuel Albuquerque – Pedro em palco – está mais habituado às apresentações. Confessando-se “céptico”, admite que foi uma “experiência completamente inovadora” e que é “muito especial” a “energia deste espaço e da fé das pessoas”.

O espectáculo será apresentado nesta sexta-feira e neste sábado às 21h30, no Centro Pastoral Paulo VI e, dada a elevada procura de bilhetes, no domingo às 15h30. Depois destes espectáculos em Fátima, o grupo aguarda propostas de apresentação em qualquer sala do país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JLB
    15 out, 2016 ALMADA 12:28
    Simplesmente Espectacular !!!