|
A+ / A-

Aguiar da Beira. Segundo militar da GNR ferido durante "caça" ao homem

11 out, 2016 - 17:04

Um segundo militar da GNR foi ferido em S. Pedro do Sul, depois de uma troca de tiros com os suspeitos. Moradores de Póvoa das Leiras e Candal aconselhados a ficar em casa.

A+ / A-

Um segundo militar da GNR foi ferido esta terça-feira na zona de Candal, em S. Pedro do Sul, distrito de Viseu, depois de uma troca de tiros com os suspeitos dos incidentes em Aguiar da Beira, confirmou à Renascença fonte das Relações Públicas do Comando Territorial da GNR da Guarda.

Esta terça-feira, de manhã, um militar foi morto e um outro foi ferido durante uma tentativa de assalto a um hotel em construção.

Os suspeitos fugiram e as autoridades montaram uma operação de "caça" ao homem, durante a qual encontraram mais duas vítimas civis. Uma das pessoas morreu, a outra sofreu um traumatismo cranioencefálico grave e foi submetida a uma operação no Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

De acordo com a GNR da Guarda, estarão envolvidos no mínimo dois suspeitos que devem ser encarados como perigosos, estando um deles identificado e referenciado por outras actividades criminosas, para além de estarem também já duas viaturas suspeitas referenciadas.

A GNR tem no terreno uma operação policial que se estende até à fronteira com Espanha.

A Polícia Judiciária e a GNR terminaram cerca das 14h00 a recolha de indícios junto à Estrada Nacional (EN) 229, em Aguiar da Beira, onde foi encontrado um militar morto e dois civis alvejados, um destes também morto.

"Fiquem em casa"

Os moradores de Póvoa das Leiras e Candal, no concelho de S. Pedro do Sul, foram aconselhados a permanecer em casa pelo presidente da Junta, José Carlos Almeida.

O autarca encontrava-se na estrada de acesso às duas aldeias serranas, situadas na zona onde decorrem buscas para encontrar os suspeitos.

"A nossa preocupação é que ele se possa meter nas aldeias e faça algum refém", disse José Carlos Almeida, aludindo apenas a um dos suspeitos que populares terão avistado.

Segundo o autarca, "as pessoas estão todas avisadas pelas autoridades para se manterem em casa e fechadinhas".

Na aldeia de Candal vivem cerca de 40 pessoas e na de Póvoa das Leiras cerca de 20, a maior parte das quais idosas, acrescentou.

[notícia actualizada às 19h34]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Guimarães
    12 out, 2016 Lisboa 09:35
    Os bandalhos de Abril deixaram chegar o País a isto ! Talvez apareça outro juiz a condenar a GNR agora ! Uma viúva casada com amigo do meu Pai dizia-me à dias . Não saio à noite porque tenho medo de ser assaltada .Ela estava tão compreensiva com os do 25 e agora não percebo.Outra idosa diz-me quando vai ao Mercado deixo sempre o telemóvel em casa No tempo de Salazar, era isto que acontecia seus bandalhos?
  • CARAMELO BURRO
    11 out, 2016 SERTÃ 20:02
    Apoiado caros amigos NL e LADRILHADOR, vós tirastes-me as palavras da boca. Assim é que é falar,é a verdade nua e crua. Tudo isto está a acontecer,porque os culpados são precisamente todos esses intelectuais da treta que queimam todos os neurónios quando dizem que andam a estudar,se chegam a estudar alguma coisa, e depois ficam com o raciocinio todo destruido e não conseguem perceber a realidade da vida. Defende-se os criminosos e castiga-se os ofendidos e forças da ordem. Vergonha de país este,vergonha de democracia ésta. Só tenho pena de os criminosos não se virarem para eles, isso é que era ver a pouca vergonha de alterar leis á pressa,para defenderem os seus interesses. Quantos agentes da autoridade ,que tiveram a infelicidade de encontrar pela frente bandalhos desses,e que para defenderem a vida e a de colegas,foram castigados,presos e sem ordenado. Só tenho pena de todos os agentes não pedirem a demissão em bloco ,para ver como esses intelectuais da treta se defendiam...... canalhas..bandidos..! há que castigar com mão pesada todos os malandros que estão a destruir a sociedade,e com consentimento dos ditos cujos..! Força....Forças da ordem...primeiro abater e só depois perguntar..!
  • jorge
    11 out, 2016 coimbra 19:17
    infelizmente na verdade e mais fácil punir gnrs psps porque e les não fogem, é assim que funciona a cobardia de alguem. mas quando precisam que lhes guardem as costas la vão esses gns e psps feitos de lacaios arriscando sua vida para defender esses tais que sem que nem para que, os punem severamente por vezes so por questões politicas, arranjando motivos para isso sem se preocuparem de analisarem melhor a culpabilidade, acho que o povo esta a ficar farto de tantas injustiças.
  • Rebelo
    11 out, 2016 Lisboa 19:05
    E continuam os sucessivos governos a não considerarem esta profissão como uma profissão de risco. Porque não têm os profissionais das forças de segurança seguro como é OBRIGATÓRIO para os demais trabalhadores? Qual o apoio que os familiares deste militar vão ter? Eu sei ZERO.
  • João Rodrigues
    11 out, 2016 Albufeira 18:59
    Será que os bandidos, pelo assassinato do militar da GNR, vão pagar a indemnização á família do militar? Da outra vez, um pai, evadido da prisão, levou o seu filho menor de idade para um assalto. Infelizmente foi atingido mortalmente por um militar, militar esse desconhecia a existência do menor no interior da viatura. Foi condenado e teve de pagar indemnizador a família do bandido. E agora sr. Juiz, como vai ser?
  • zépovinho
    11 out, 2016 lx 18:24
    vai uma aposta em que a culpa foi do GNR assassinado? povo da treta....
  • Luíze
    11 out, 2016 Montalegre 18:20
    Nos EUA morrem os bandidos porque há procedimentos obrigatórios para os agentes protegerem as suas vidas. Se alguém não deita fora o que tem na mão, mesmo que não seja uma arma, os agentes disparam. Aqui morrem os polícias porque se algum acerta num fugitivo e o mata, está tramado. Mas parece que é melhor assim. O direito do criminoso ou do delinquente à sua segurança é sagrado mesmo que a vida de outrem, por exemplo um polícia, esteja ameaçada.
  • NL
    11 out, 2016 Ermesinde 17:58
    Que a GNR cumpra sempre, como tem cumprido, o seu dever. Não há que ter complicações mesmo que uns garotos ditos juízes decidam criminosamente a favor dos criminosos. A justiça sois vós. Os juízes são os criminosos que apoiam os criminosos.
  • Ladrilhador
    11 out, 2016 Porto 17:52
    A democracia tuga, melada e viscosa, solta os criminosos e assedia os justos pela mão de juizes de mão larga e vista estreita, a interpretar códigos amaricados, próprios de uma civilização decadente.