A+ / A-

"Flores" de Afonso Cruz vencem Prémio Literário Fernando Namora

03 out, 2016 - 08:05

“Estou muito contente, porque é um prémio importante”, diz o autor à Renascença.
A+ / A-

Veja também:


O romance "Flores", de Afonso Cruz, venceu por unanimidade o Prémio Literário Fernando Namora, com o valor pecuniário de 15 mil euros. O júri realçou "a elevada qualidade estética" do romance.

“O domínio da linguagem de ficção, a capacidade de construção de uma história e das suas personagens, sabendo lidar com a introdução do aleatório numa estrutura bem montada", são outros aspectos destacados na acta do júri, que salienta ainda o "registo lírico de apreensão do real" da narrativa de Afonso Cruz.

À Renascença, o autor mostra-se satisfeito pelo prémio e por “haver alguém que confia” no seu trabalho e resume o livro premiado.

“É um romance sobre a memória. Um homem que está doente e perdeu uma boa parte das suas memórias afectivas. Esqueceu-se do primeiro beijo, por exemplo, e há um vizinho, jornalista, que tenta ajudá-lo entrevistando algumas pessoas que tiveram a ver com a vida daquela pessoa. Tenta, assim, recuperar-lhe uma história e uma entidade”, descreve.

Quanto ao valor pecuniário do prémio, Afonso Cruz diz que não é o mais importante, mas “dá jeito”.

“Toda a gente sabe que os escritores não ganham muito dinheiro e faz sempre jeito essa almofada”, afirma.

O júri desta edição do Prémio Fernando Namora foi presidido por Guilherme d'Oliveira Martins e constituído por José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, Maria Carlos Loureiro, pela Direcção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, Maria Alzira Seixo e Liberto Cruz, convidados a título individual, e Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, pela Estoril Sol, que organiza e patrocina o prémio.

Nesta 19.ª edição, o júri "reconheceu ter sido um ano literário de excepcional qualidade, tendo seleccionado ainda, com muito apreço, os romances concorrentes" de João Tordo, "O luto de Elias Gro", Inês Pedrosa, "Desamparo", Joel Neto, "Arquipélago", Julieta Monginho, "Os Filhos de K", Mário Cláudio, "Astronomia", e de Paulo Castilho, "O sonho português", segundo a mesma fonte.

Escritor, realizador, músico

Afonso Cruz tem 45 anos e, além de escritor, é também realizador de filmes de animação, ilustrador e músico.

Publicou o primeiro romance em 2008, "A carne de Deus: Aventuras de Conrado Fortes e Lola Benites", ao qual se seguiu, em 2009, "Enciclopédia da estória universal", que foi distinguido com o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco.

Em 2012, venceu o Prémio da União Europeia de Literatura com o livro "A Boneca de Kokoschka". Outros galardões que já recebeu foram o Prémio Autores da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), em 2011 e 2014, e o Prémio Nacional de Ilustração, em 2014.

É também autor de "Os livros que devoraram o meu pai", distinguido com o Prémio Literário Maria Rosa Colaço, e "A contradição humana", com o qual venceu o Prémio Autores SPA/RTP.

Em 2012, editou o romance "Jesus Cristo bebia cerveja", que foi distinguido com Prémio Time Out – Livro do Ano e eleito Melhor Livro, segundo escolha dos leitores do diário Público. Em 2013, publicou "Para onde vão os guarda-chuvas", com o qual recebeu o Prémio Autores/SPA na categoria Melhor Livro de Ficção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.