|
A+ / A-

Reportagem

A guerra juntou-as em Lesbos, onde os "refugiados estão sempre tristes"

29 set, 2016 - 19:21 • Ana Rodrigues , em Lesbos (Grécia)

Diba, Walaa, Fulla e Bidá estão há vários meses no campo de Kara Tepe à espera de uma nova vida.

A+ / A-

Veja também:


Diba, Walaa, Fulla, Bidá. Quatro mulheres, três sírias e uma afegã, que a guerra juntou na Grécia, depois de uma travessia no mar Egeu que quase lhes custou a vida. Esperam desde Março que a Europa lhes abra as portas para que possam abraçar a família que partiu mais cedo. Os dias – os meses – passam e a espera no campo de refugiados de Kara Tepe, na ilha grega de Lesbos, é cada vez mais dolorosa.

“É duro, é muito duro para nós. É bom, mas não é para viver aqui. Vivemos aqui há muito tempo”, diz Walaa.

“Aqui não há direitos humanos”, afirma Bida. “A comida é muito má, as paredes são de plástico. É muito quente no Verão e muito frio no Inverno. E há ratos e outros animais. É muito mau.”

Chegaram à Grécia apenas com a roupa no corpo e a esperança que traziam começa a perder-se. Em Lesbos, a ilha que não conheciam, só pedem aos europeus que as deixem começar uma vida nova.

“Aqui os refugiados estão sempre tristes – o dia todo, estão sempre tristes. Nós rimo-nos, mas é apenas por fora, não por dentro. No nosso interior existe tanta tristeza”, confessa Walaa.

“Temos de esperar muito tempo”, diz Fulla. “Todos os dias quando acordamos perguntamos se há notícias: o que vai acontecer, qual vai ser o nosso futuro? Não sabemos da nossa família. Estamos aqui há muito tempo.”

O desânimo espalha-se pelo campo, apesar dos esforços de voluntários. Filipa Paiva, voluntária da Plataforma de Apoio aos Refugiados, de Portugal, afirma à Renascença que as organizações não governamentais têm cada vez menos pessoas no terreno – em campos cada vez mais lotados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    30 set, 2016 aveiro 09:30
    Bem se no Pias de refugio a situação é assim tão má , e porque nos Países de origem era melhor !!!!!......... não compreendo, não se pode exigir o que em muitos casos não há para os próprios Gregos !