|
A+ / A-

ONU diz que situação em Alepo é “desesperada"

29 set, 2016 - 18:40

Centenas de doentes precisam de ser retirados da zona, alertam as Nações Unidas.

A+ / A-
Imagens aéreas mostram destruição em Alepo
Imagens aéreas mostram destruição em Alepo

A ONU alerta que a situação na zona leste da cidade síria de Alepo é "desesperada", afirmando que centenas de doentes precisam de ser retirados daquela área controlada pelas forças rebeldes e que os alimentos são escassos.

Segundo as Nações Unidas, os bens alimentares disponíveis só conseguem cobrir as necessidades de um quarto da população dos bairros da zona leste de Alepo, no norte da Síria.

"Para nós, o que é prioridade, é a situação médica muito preocupante" na zona leste da cidade, declarou o enviado especial adjunto da ONU para a Síria, Ramzy Ezzeldin Ramzy, em declarações aos jornalistas em Genebra (Suíça).

"É preciso organizar com urgência evacuações médicas", acrescentou o mesmo representante, indicando que "provavelmente centenas" de pessoas doentes e feridas precisam de ser retiradas daquela cidade.

"Cerca de 600 pessoas podem não ser tratadas" por causa da falta de pessoal ou de material médico adequado, referiu o enviado especial adjunto.

Segundo Ramzy Ezzeldin Ramzy, o 'stock' de material médico diminuiu significativamente e só permanecem cerca de 35 médicos nos bairros da zona leste de Alepo, onde vivem cerca de 250 mil pessoas. Uma população que está sujeita aos ataques das forças governamentais, apoiadas pelos aliados russos desde o início de Setembro.

"Ela gritava, podia ser minha filha". Capacetes Brancos salvam menina de cinco anos em Alepo
"Ela gritava, podia ser minha filha". Capacetes Brancos salvam menina de cinco anos em Alepo

As declarações do enviado especial adjunto da ONU para a Síria surgem um dia depois de os dois principais hospitais da zona rebelde de Alepo terem sido alvo de bombardeamentos. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, qualificou estes ataques como "crimes de guerra".

Ainda aos jornalistas em Genebra, Ramzy Ezzeldin Ramzy indicou que "os bens alimentares diminuíram" naquela zona, especificando que muitas padarias fecharam e que restam pouco mais de 14 mil rações alimentares.

Cada uma destas rações podem alimentar cinco pessoas, ou seja, 70 mil no total, o que representa apenas um quarto da população destes bairros, segundo o Programa Alimentar Mundial (PAM), uma agência da ONU.

Ramzy Ezzeldin Ramzy falava à imprensa após uma reunião em Genebra de um grupo de trabalho dedicado ao conflito na Síria e à crise humanitária que afecta aquele país.

O representante declarou que as discussões mantidas durante o encontro organizado sob os auspícios das Nações Unidas foram "longas de difíceis" e dominadas pela situação em Alepo.

Também acrescentou que a ONU pediu aos dois co-presidentes do grupo de trabalho, os Estados Unidos e a Rússia, para fornecerem meios de acesso à cidade, de forma a facilitar a entrega de ajuda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nuno
    29 set, 2016 V.N.Gaia 19:00
    Para mim a ONU não passa de uma organização de hipócritas e cinicos bem pagos e que nada produzem em beneficio da humanidade, pelo contrário deixam povos e populações à sua sorte de de outros interesses.Por muito que me custe tenho de dar uma certa razão ao presidente das Filipinas.