O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Crédito à habitação. Governo prepara regime de protecção a devedores

23 set, 2016 - 14:02 • Cristina Branco

“As medidas estão em equação”, diz deputado do Bloco à Renascença e o objectivo é que a medida entre em vigor o mais rápido possível.
A+ / A-

O Governo está a estudar a criação de um novo regime extraordinário de protecção de devedores que se encontrem em situação económica debilitada e em risco de perder a casa por falta de pagamento.

A ideia é recuperar o regime criado em 2012 (e que expirou em 2015), mas ao qual, devido a requisitos muito apertados, poucas famílias tiveram acesso.

O assunto está a ser estudado pelo grupo de trabalho para as Políticas de Habitação, Crédito Imobiliário e Tributação do Património Imobiliário, que reúne no Parlamento representantes do Governo e deputados do PS e do Bloco de Esquerda, de acordo com a edição desta sexta-feira do “Jornal de Negócios”.

Em declarações à Renascença, o deputado do BE Pedro Soares afirma que “há algumas medidas que estão praticamente consensualizadas, nomeadamente em relação aos fiadores”.

“A possibilidade de o fiador assumir a posição do devedor, no caso de ter de pagar a hipoteca, é um avanço grande em relação ao que acontece actualmente, que é os fiadores terem de pagar a hipoteca e depois acabarem por não ter a propriedade do imóvel”, explica.

O deputado do Bloco não adianta mais pormenores sobre o regime em estudo, dizendo apenas que “as medidas estão em equação” e existe “uma clara determinação no sentido de encontrar mecanismos de protecção dos devedores”.

O deputado Pedro Soares, do BE, sublinha que a ideia é que este regime entre em vigor o mais rápido possível.

O crédito à habitação malparado está em máximos históricos – atingiu, em Junho, mais de 2600 milhões de euros, valor sem paralelo nos últimos anos, segundo dados do Banco de Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Sacramento
    24 set, 2016 Gondomar 11:55
    Acho bem que tomem esta medida.Sou um social democrata,mas diferente de costa. Este é um produto hibrido ou seja um social democrata esquerdista, mais alinhado com a teoria marxista.aliás ele antes de ser do PS passou pela malha comunista.Por isso, atendendo ao seu apego ao poder, sabia que era mais fácil chegar a um lugar de topo no PS, porque os comunistas nunca mais lá chegavam e é precisamente costa que leva o comunismo para a governação.Mas tirando esta observação estou com costa nesta medida porque a banca andou a brincar com aqueles que foram na sua conversa e agora não têm dó nem piedade para essa gente que muitas vezes empurrada pela própria banca foi comprar casa.E agora que a vida lhes pregou uma partida de os pôr sem trabalho e dinheiro para pagar a hipoteca das casas a banca. Saca-lhes a casa deixando esta gente à deriva e se não tiverem ninguém para lhes dar a mão, muitas vezes ou sempre a familia, iam viver para debaixo de uma ponte.Por isso parabéns a este governo por isso,porque a direita nunca se preocupou com isso.Agora só falta limpar do Banco de Portugal o costa que não viu nada sobre a saída de massa dos nomes que já conhecemos, e só tem olhos para este Povo que não paga porque os politicos e bancos os deixaram no desemprego. E porquê! Porque politicas governamentais de braço dado com a banca atiraram muitas empresas para a falência e depois vieram despedimentos em massa.Por isso a medida é justa, mas não deixa de haver conivência dos governos/banca.
  • M M
    23 set, 2016 C R 16:48
    Sejam rápidos, é uma medida social importantíssima...
  • Bruno Graça
    23 set, 2016 Porto 15:42
    "O crédito à habitação malparado está em máximos históricos – atingiu, em Junho, mais de 2600 milhões de euros, valor sem paralelo nos últimos anos, segundo dados do Banco de Portugal." Infelizmente ainda vai ficar pior. Basta fazer umas simples contas de cabeça e imaginar para que valores irá subir a prestação de quem adquira atualmente um imóvel, avaliado nos 150.000,00€ a 30 anos, com o valor das atuais taxas de juro e os spreads praticados atualmente. Mal as taxas comecem a voltar para os valores anteriores à crise, vai ser uma subida incrível no crédito malparado, a não ser que os banco, inversamente (isto num mundo utópico), baixem os valores dos spreads na mesma proporção.
  • PUB