O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Búlgara Kristalina Georgieva "encorajada" a avançar para liderança da ONU

23 set, 2016 - 11:03

Apoiada pela chanceler alemã, Angela Merkel, Georgieva admite, implicitamente, que poderá enfrentar António Guterres.
A+ / A-

A vice-presidente da Comissão Europeia Kristalina Georgieva diz estar a ser "encorajada" a avançar com uma candidatura a secretária-geral da ONU, admitindo, implicitamente, que poderá enfrentar António Guterres.

“Sinto-me muito honrada por verificar que numerosas pessoas me estão a encorajar para ser candidata”, sublinhou Georgieva, uma economista búlgara de 63 anos, que é apoiada pela chanceler alemã, Angela Merkel.

Kristalina Georgieva falava em Nova Iorque, numa conferência organizada pelo Instituto para a Paz.

A possível adversária do antigo primeiro-ministro português e ex-alto comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, condicionou, contudo, a decisão quanto à sua candidatura ao apoio do governo búlgaro.

“Como búlgara, direi que é uma decisão a tomar pelo governo do meu país”, assinalou.

Uma outra búlgara, a directora-geral da UNESCO, Irina Bokova, está já na corrida à sucessão de Ban Ki-moon na liderança das Nações Unidas. Na primeira votação no Conselho de Segurança, alcançou o terceiro lugar, com nove votos encorajadores, quatro desencorajadores e dois sem opinião. Nessa mesma votação, António Guterres foi o candidato com melhor resultado, sem qualquer voto desencorajador, e Danilo Turk, ex-presidente esloveno, ficou em segundo.

Apesar de o candidato português ter obtido bons resultados em todas as votações, a Rússia - um dos cinco países que dispõem de direito de veto no Conselho de Segurança - já reforçou a sua preferência por um candidato da Europa de leste.

O executivo búlgaro declarou, na passada semana passada, que manteria a candidatura de Bokova, mas admitiu rever a sua posição se ela “não for a primeira ou segunda” mais votada no escrutínio que vai realizar-se na segunda-feira.

Na escolha do sucessor de Ban Ki-moon há também que contar com um movimento em favor da eleição de uma mulher, o que aconteceria pela primeira vez após os oito homens que já ocuparam o cargo.

Guterres venceu as quatro primeiras votações no Conselho, que aconteceram a 21 de Julho, 5 de Agosto, 29 de Agosto e 9 de Setembro.

Assim que um candidato reunir nove votos entre os 15 países membros e aprovação de todos os membros permanentes - China, França, Reino Unido, Rússia e Estados Unidos - o Conselho de Segurança recomendará o seu nome para aprovação pela Assembleia Geral da ONU, que reúne representantes de 193 países.

A organização espera encontrar durante o Outono o sucessor de Ban Ki-moon, que termina o seu segundo mandato no final do ano.

Duas outras votações estão agendadas: uma semelhante às primeiras quatro, que acontece na segunda-feira, e uma na primeira semana de Outubro, em que os votos dos membros permanentes do Conselho com poder de veto sobre os candidatos serão destacados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • j.batista
    23 set, 2016 Lisboa 11:31
    Merkel não pode infringir as regras ou alterá-las (se tiver esse poder) a meio do jogo, por mero capricho e desprezo da candidatura dominante, de momento. Uma eleição não entende jogos de poder, renegando os candidatos à partida, tal como numa maratona os que a iniciam é que têm o direito de chegar ao fim, não podendo qualquer um entrar fresquinho a meio da corrida. Seria ridículo e desastroso para a ONU o que se anuncia nem o eleito (a)? teria qualquer legitimidade. Não creio neste despudorado gesto que é anunciado, senão como mera propaganda maliciosa.
  • PUB