O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Minas da Urgeiriça. “É preciso virar a página, porque isto não é tudo mau"

23 set, 2016 - 10:01 • Liliana Carona

Falta um ponto final numa história que começou em 1907, com a fundação da então denominada Junta de Energia Nuclear. Um polivalente, um escriturário e um carpinteiro das minas recuam no tempo e contam à Renascença as suas versões.
A+ / A-

É inaugurado esta sexta-feira à tarde o espaço de lazer criado nas antigas minas da Urgeiriça, no concelho de Nelas. A cerimónia está rodeada de polémica, com a Associação dos Ex-Trabalhadores das Minas de Urânio a dizer que ainda falta descontaminar diversas zonas e que, por isso, não vai estar presente.

A associação (ATMU) prefere aguardar por uma derradeira inauguração, que ponha um ponto final neste capítulo e que comece uma nova fase para aquela povoação. “É preciso virar a página. Isto não é tudo mau”.

Quem sabe tudo da Urgeiriça, dos mineiros, da vida difícil, mas também dos serões de convívio e amizade, é António Minhoto, 64 anos, presidente da ATMU.

“Este era o antigo lugar do Santa Bárbara, o poço mineiro donde vinha o urânio da Urgeiriça. Agora, aqui ao lado temos este parque com zonas desportivas, circuitos, zonas para debates nos balneários dos mineiros e no edifício onde trabalhava o guincheiro”, afirma à Renascença, apontando com o dedo, mas sem querer entrar dentro do novo parque.

António Minhoto não vai comparecer na inauguração deste novo espaço de lazer e alerta: “Inaugurar devia ser o complexo todo quando tivesse sido eliminada toda a contaminação, a antiga química por exemplo está por recuperar, os antigos escritórios, e se olharmos a nível da região, há minas em Tábua, Mangualde e Gouveia, que também ainda não foram recuperadas, com níveis de radão e gás que são nocivas à saúde”.

O espaço de lazer nasce sob o olhar de saudade dos colegas João Marques, de 67 anos, escriturário, e José Magalhães, de 60, carpinteiro. Trabalharam ambos na Empresa Nacional de Urânio nas décadas de 1970, 80, e 90.

“São estes momentos de reencontro de que temos saudades, é uma grande amizade”, sorri José Magalhães, actualmente a viver na América e de passagem pela localidade.

“Trabalhei na serração quase 20 anos, éramos viciados nisto”, recorda o carpinteiro, enquanto é interrompido por João Marques. “É preciso ultrapassar, e dizer às pessoas que a Urgeiriça é um local onde se vive saudavelmente, serão sempre bem recebidas”, garante.

Os ex-trabalhadores das minas da Urgeiriça querem terminar de vez com o estigma da terra envenenada e dar a Urgeiriça uma nova vida. “Urgeiriça, terra de saudade, Urgeiriça mineira para o futuro e para a dignidade”, concluem os mineiros, que admitem sonhar todos os dias com “aqueles tempos”.

Sentada no alpendre de sua casa, Deolinda Neto, de 58 anos, debulha o feijão para a sopa, indiferente ao facto da sua moradia ter sido, no passado, o posto da GNR, junto ao complexo habitacional dos mineiros. Não lhe interessa saber mais do que isso.

“Não sou de cá, sinto-me aqui bem, estou num sítio bonito, é só isso que interessa”, assegura à Renascença.

Uma história por acabar

A história que começou em 1907, com a fundação da então denominada Junta de Energia Nuclear, ainda não teve um ponto final. As minas chegaram a ter mil trabalhadores. Das mãos dos ingleses passou para a alçada do Estado em 1962, e mais tarde, designada Empresa Nacional de Urânio.

Fechou portas em 2000, numa altura em que tinha cerca de 40 trabalhadores. Mais recentemente, foi publicada em Diário da República a lei que estabelece o direito a uma compensação por morte emergente de doença profissional dos trabalhadores da Empresa Nacional de Urânio, tendo posto fim a um processo de 15 anos, pela luta dos direitos dos ex-trabalhadores contaminados pela radioactividade.

Até ao momento, já têm 50 pedidos, referentes a indemnizações para os familiares dos que morreram por exposição à radioactividade. A Associação dos Ex-Trabalhadores das Minas de Urânio (ATMU) acredita que mais de 100 morreram por neoplasia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cardoso, Francisco
    23 set, 2016 Canas de senhorim 23:03
    António Minhoto "trabalhou" nas Minas da Urgeiriça um curto espaço de tempo na década de 80 do século passado. Que sabe ele? Quem conheceu e lhe transmitiu informação? As Minas da Urgeiriça têm servido para tudo, para dizer asneiras e se auto-promoverem . Cheguei às Minas da Urgeiriça a 10 de maio de 1947, tinha pouco mais de quatro anos. Sou filho de um mineiro, tenho 74 anos e aqui vivi, e vivo, há quase 70. com pequenas ausências físicas, Lisboa 1 ano , Serviço Militar 4 anos e Moçambique 2 anos. Conheci muitos homens que esventraram o solo e morreram de acidente, silicose e cancro. Conheço histórias de vida que arrepiam. Conheço histórias de verdadeiras heroínas. Mas quem sou eu para as contar?
  • PUB