O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Fernando Santos

Suíça como alerta à navegação. "Modo Europeu tem de deixar de acontecer"

23 set, 2016 - 09:55

Seleccionador nacional assume quota parte de responsabilidade por não ter conseguido desligar o botão de França na equipa das quinas. Fernando Santos pede "mentalidade" idêntica à do apuramento para o Euro 2016 no resto da caminhada rumo ao Mundial da Rússia.
A+ / A-

Fernando Santos considera, entre outras razões, que o facto de a Selecção Nacional ainda estar em "modo Europeu" acabou por ditar a derrota frente à Suíça, no arranque da fase de qualificação para o Mundial 2018.

De forma aberta, o seleccionador assume a quota parte de responsabilidade no falhanço do objectivo de "desligar" os jogadores da "tomada" francesa, mas lança igualmente um apelo para que o foco mude imediatamente.

"Aquilo que foi o jogo na Suíça [derrota por 2-0] não tem semelhança nenhuma com aquilo que fizemos na fase de apuramento para o Campeonato da Europa. Competir numa fase de apuramento é muito diferente de competir numa fase final. É mais difícil ter esta concentração total num jogo contra a Suíça, na fase de grupos mas também penso que estamos ainda um bocadinho todos em 'modo Europeu'. Isso vai ter de deixar de acontecer e eu - é uma responsabilidade minha - tenho de conseguir que isso termine aqui", admitiu o "engenheiro", em entrevista à revista oficial da Federação Portuguesa de Futebol.

Recuperar "mentalidade" da caminhada rumo ao Euro 2016

Tal como no arranque do apuramento para o Campeonato da Europa, Portugal entrou em falso na qualificação rumo ao Rússia 2018. Na altura, era Paulo Bento o seleccionador e a derrota caseira com a Albânia ditou mudança no comando técnico da Selecção Nacional. Entrou Fernando Santos e, nos sete jogos que restaram, foi tudo corrido a triunfos.

Fernando Santos relembra o exemplo para deixar um aviso à navegação do grupo que orienta e que, nos próximos dois compromissos oficiais, defronta as tenras Andorra e Ilhas Faroé. O favoritismo luso é total, mas uma coisa é certa: o plano teórico difere bastante do prático, no qual é preciso recuperar a "mentalidade" da qualificação para o Euro 2016.

"As Ilhas Faroé empataram com a Hungria e vamos jogar com as Ilhas Faroé dentro de 15 dias. Será um jogo tremendamente difícil. Portugal é melhor, é favorito. Quando jogarmos com Andorra e Ilhas Faroé somos favoritos e depende de nós demonstrarmos esse favoritismo e da mentalidade correcta para defrontar esses adversários. Foram os jogadores com a mentalidade certa [que tiveram o mérito de conquistar sete vitórias consecutivas no apuramento para o Europeu]. Nós é que podemos criar problemas a nós próprios se perdermos essa mentalidade", avisou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.