O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Primeira Liga

Daniel Ramos. Primeira escolha de Carlos Pereira apresentada no Marítimo

22 set, 2016 - 20:30

Treinador de 45 anos revela processo difícil de saída do Santa Clara mas não esconde "orgulho" por se estrear na Primeira Liga. Presidente dos insulares assumiu erro de "casting" com PC Gusmão, quando tinha pensado inicialmente no próprio Daniel Ramos.
A+ / A-

Daniel Ramos foi apresentado como treinador do Marítimo, esta quinta-feira, considerando estar na presença da sua primeira "grande oportunidade" de orientar um clube de Primeira Liga.

As negociações com o Santa Clara, anterior clube do técnico de 45 anos, foram complicadas devido ao trajecto deveras positivo do emblema açoriano, segundo classificado da Segunda Liga. Ainda assim, Daniel Ramos destacou o papel do presidente "verde rubro", Carlos Pereira, no desfecho que mais lhe agradava em todo o processo.

"Não foi fácil chegar a acordo", recordou. "Da parte do Santa Clara houve uma enorme vontade que eu continuasse, porque o percurso estava a ser muito bom. Por outro lado, representar o Marítimo e perceber a enorme força que o presidente Carlos Pereira estava a fazer para a minha vinda, era sentir que estava a ser desejado e isso é muito importante para um treinador", prosseguiu.

Naquilo que considera ser um "grande desafio" em tentar tirar o Marítimo do 17º e penúltimo lugar da tabela e também uma "grande oportunidade", Daniel Ramos espera ser feliz novamente na Madeira.

"Apesar de todas as dificuldades desta maratona, sinto um grande orgulho em estar novamente nesta ilha, por onde passei (foi campeão da II Divisão pelo União da Madeira) e fui feliz, e assim espero que também aconteça nesta segunda passagem", referiu o técnico que rubricou um contrato válido até ao Verão de 2019, o mais longo na "era" Carlos Pereira.

Erro de "casting" corrigido com opção inicial

Por seu turno, o presidente do Marítimo revelou que Daniel Ramos esteve para chegar à Madeira em vez do antecessor, o brasileiro Paulo César Gusmão, que rescindiu contrato na segunda-feira.

"O Daniel esteve para vir para cá no início da época. Optei, e toda a responsabilidade é minha, por um treinador mais experiente. Era o Daniel que devia cá estar, não devia ter alterado a minha linha de orientação, mas corrigi a tempo", adiantou, esperando que o novo técnico esteja já no banco de suplentes no domingo, na partida caseira com o Tondela.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.