A+ / A-

“Autêntica hospitalidade" é a "maior segurança" contra o terrorismo, diz o Papa

17 set, 2016 - 13:38

Francisco participou este sábado numa conferência sobre imigração e a crise dos refugiados, em Roma. “Encorajo-vos a dar as boas-vindas aos refugiados nas vossas casas e comunidades”.
A+ / A-

Veja também:


O Papa considera que a "autêntica hospitalidade" é a "maior segurança contra os odiosos actos terroristas". Francisco diz que se vive "a mais grave crise humanitária desde a Segunda Guerra Mundial", mas sublinha que os"65 milhões de refugiados no mundo não são diferentes dos nossos familiares e amigos”.

“Têm o direito inalienável de viver em paz e de aspirar a um futuro melhor para os seus filhos", defendeu numa conferência sobre imigração e a crise dos refugiados, onde falou para membros das associações de ex-alunos e alunas dos Jesuítas.

Existe guerra em várias partes do mundo, disse o Papa, e "nunca se registou um número tão alto de pessoas que morreram a tentar atravessar o mar Mediterrâneo, que se converteu num cemitério, ou passam anos em campos de refugiados".

Aos ex-alunos da Companhia de Jesus, Francisco pediu ajuda para que também a Igreja seja capaz de responder à tragédia humana dos refugiados através de "actos de misericórdia que promovam a sua integração no contexto europeu".

"Encorajo-vos a dar as boas-vindas aos refugiados nas vossas casas e comunidades para que a sua primeira experiência na Europa não seja o trauma de dormir nas frias ruas, mas que tenham um acolhimento humano e quente", afirmou.

"Recordar que a autêntica hospitalidade é um profundo valor evangélico que alimenta o amor e que é a nossa maior segurança contra os odiosos actos de terrorismo", acrescentou.

Francisco manifestou-se ainda preocupado com o facto de "menos de 50% das crianças refugiadas terem acesso à educação primária”.

“O número cai para 22% entre os adolescentes refugiados com idade para a educação secundária e para menos de 1% no caso do acesso à universidade", adiantou, exortando por fim que cada um no seu país se empenhe em "transformar as suas comunidades em lugar de boas-vindas de todos os filhos de Deus para que tenham a oportunidade não só de sobreviver, mas de crescer, florescer e dar frutos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • "A PERIGOSA UTOPIA"
    17 set, 2016 lisboa 16:01
    E OS MILHARES DE TERRORISTAS QUE ESTAO A CHEGAR À EUROPA MASCARADOS DE REFUGIADOS?
  • António Costa
    17 set, 2016 Cacém 15:05
    Um Pastor que trate bem os Lobos com esperança de que assim poupa o rebanho, esta muito enganado. Os Lobos perdem apenas o respeito pelo Pastor e pelos cães. Os ataques ao rebanho vão aumentar cada vez mais e quem vai pagar são as ovelhas, com vitimas cada vez mais numerosas.
  • António Costa
    17 set, 2016 Cacém 14:58
    O Bom Pastor ajuda, defende e se necessário dá a Vida pelas suas ovelhas. Treina cães, para que estes defendam o rebanho. Fingir que os lobos não existem, ou de que não nos precisamos de proteger ou defender deles, é muito "platónico". Mas é também tremendamente irrealista e ingénuo.