A+ / A-

Universidade do Algarve decreta tolerância zero às praxes

12 set, 2016 - 13:05 • Fátima Casanova

Depois de uma praxe violenta em 2015 ter resultado no internamento de uma aluna, a universidade decidiu impor um regime de tolerância zero às praxes académicas, realizadas dentro e fora do campus da instituição.
A+ / A-

A Universidade do Algarve decidiu impor um regime de tolerância zero às praxes académicas, realizadas dentro e fora do campus da instituição. O despacho assinado pelo reitor, e a que a Renascença teve acesso, inclui um conjunto de regras que os alunos devem respeitar. O seu incumprimento é considerado infracção disciplinar.

António Branco quer garantir um acolhimento tranquilo aos novos alunos e, por isso, proibiu qualquer praxe esta semana, de modo a que as matrículas e inscrições “decorram com toda a serenidade e normalidade”.

O reitor determina ainda que nas actividades de praxe se impeça “os novos estudantes de frequentar as aulas” e se force os alunos a participar “em actividades que considerem indignas ou desadequadas à sua expressão individual”.

O despacho proíbe também a promoção de “actividades, fora ou dentro dos ‘campi’ da universidade que lesem o bom nome e imagem da instituição”.

Relativamente ao desfile académico, que “ocupa espaços da cidade de Faro e, assim, interfere com a imagem da Universidade junto dos cidadãos”, o reitor sublinha que é proibido “usar substâncias ou produtos que ofendam a higiene e a saúde, individual e pública, nomeadamente que visem a criação de maus odores e sujidade nos estudantes”.

“Distribuir ou fornecer, a qualquer título, bebidas alcoólicas a estudantes que integrem o cortejo”, está igualmente proibido.

O incumprimento destas regras são considerados infracção disciplinar, pelo que “qualquer reclamação recebida relativamente ao assunto será seriamente averiguada e, em caso disso, dará lugar a um processo disciplinar ou, em última instância, a participação às autoridades judiciais”, lê-se.

No início do passado ano lectivo, uma caloira ficou gravemente ferida e teve de ser internada no hospital na sequência de uma praxe. O caso remonta à noite de 23 de Setembro e foi denunciado pelos pais da aluna de 19 anos. Os novos alunos foram enterrados na areia da praia de Faro e alegadamente obrigados a ingerir álcool.

A Universidade do Algarve decidiu aplicar sanção de advertência escrita a dois alunos envolvidos. De acordo com um comunicado da instituição de ensino superior, depois de concluído o processo disciplinar, o reitor determinou a sanção de advertência escrita averbada nos processos individuais dos estudantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 15 set, 2016 01:19
    voltamos à ditadura
  • Olímpio Monteiro
    12 set, 2016 Coimbra 16:05
    Pronto, um reitor a vergar-se ao Bloco de Esquerda!
  • Aventino Ribeiro
    12 set, 2016 Matosinhos 16:00
    A Minha filha estrou nessa universidade em 2014 e 5 dias depois abandonou essa universidade por causa das praxes.
  • AM
    12 set, 2016 15:55
    Sr. Paulino, ou (elas), a meu entender, a apanha da batata também não é solução, senão vai dar batatada, e nas vindimas, também não, porque vinho a mais, dá besana... Inventem outra coisa. Gambuzineirada? (elas podem não achar graça...)
  • Mar Revolto
    12 set, 2016 Sintra 15:29
    Até que enfim um Reitor com eles no sítio, mais preocupado com o bem estar dos alunos que com índices de popularidade.
  • Pascale Daily
    12 set, 2016 Sobral de Monte Agraço 15:22
    Gostava de ver os estudantes a ajudar os sem abrigos , distribuir refeições ,e ficar mais perto de quem precisa sem olhar a quem . Uma boa acção de grupo . È uma ideia como uma outra , mais que não seja só bebidas em excesso , mijo , etc etc que é melhor não comentar . Desejo um excelente ano universitar aos nossos jovens .
  • AM
    12 set, 2016 14:52
    Pois, já me está a parecer que começamos a ter adultos nas universidades... No meu tempo, no ISEL, as comissões das tretas, apanhavam porrada cá fora dos trabalhadores-estudantes.dos caloiros... Eram os de dentro que chamavam a PSP, "o piquete", pois, porque senão, arroz queimado. Sr. Paulino, sou eu que escrevo de vez em quando, o tal que quer que o Sr, ponha música country. E mais, elas, as da RR, ñão publicam os meus comentários. Pois!
  • EU
    12 set, 2016 Daqui 14:52
    A praxe é um crime. Hoje em dia a canalhada que chega às universidades já está super integrada. Digo mais, alguns estão integrados demais! Não há justificação para tanta porcalhada.
  • Mafurra
    12 set, 2016 Lisboa 14:36
    Até que enfim se começam a tomar medidas para controlar os IMBECIS travestidos de alunos !
  • Dr Xico
    12 set, 2016 Lisboa 14:17
    É de aplaudir esta tomada de posição da UAlgarve. Se todos os fizerem para o ano deixa de ser noticia e os alunos mais velhos e frustrados deixam de se sentirem importantes em humilhar os recém chagados.