|
A+ / A-

Cientistas fazem descoberta importante no combate ao Alzheimer

01 set, 2016 - 18:45

Substância é capaz de remover a acumulação de proteínas no cérebro de pessoas com Alzheimer e consequentemente retardar o seu declínio mental.

A+ / A-

Um estudo publicado na quarta-feira na conceituada revista científica “Nature” revela que um grupo de investigadores dos Estados Unidos e da Suíça estão a conseguir travar o avanço da doença de Alzheimer através de uma droga experimental chamada aducanumab.

Os testes da equipa da empresa biotecnológica Biogen mostram como esta substância é capaz de remover a acumulação de proteínas no cérebro de pessoas com Alzheimer em estágio leve e consequentemente retardar o seu declínio mental.

Os testes foram feitos em 165 pessoas com Alzheimer em fase inicial durante um ano – sendo que parte dos voluntários recebeu injecções mensais deste anticorpo e outra parte tomou um placebo. Nos cérebros dos pacientes que receberam a droga houve uma "eliminação quase completa" das chamadas placas amilóides.

As placas amilóides são proteínas que se agrupam em depósitos no cérebro, bloqueando os neurónios, um dos mecanismos que os cientistas suspeitam que pode provocar Alzheimer.

Segundo o jornal britânico “The Independent”, os pacientes tratados com este anticorpos mostraram inclusivamente não terem sofrido qualquer declínio na memória ou nas funções do dia-a-dia.

Devido à dimensão reduzida do grupo de teste, os cientistas vão agora realizar um estudo maior com 2.700 pessoas em fase inicial de Alzheimer, com final projectado para 2020. Depois desta segunda fase, será possível começar a estudar a possibilidade de trazer o aducanumab para o mercado.

Um dos efeitos secundários que é preciso ultrapassar é a acumulação excessiva de fluido no cérebro, o que pode aumentar o risco de acidentes vasculares cerebrais (AVC).

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • jose
    02 set, 2016 matosinhos 00:03
    Falta saber para quando iremos ter acesso a este medicamento e os custos para quem não tem posses.