A+ / A-

Igreja prepara resposta conjunta à cobrança de IMI

29 ago, 2016 - 07:09 • Isabel Pacheco

Dezenas de paróquias estão a receber notificações do Ministério das Finanças para pagarem o Imposto Municipal sobre Imóveis relativo a bens e equipamentos que estão isentos pela Concordata.
A+ / A-

Veja também:


Os responsáveis pelas finanças das dioceses de todo o país reúnem-se esta segunda-feira em Fátima para preparar uma resposta conjunta à Autoridade Tributária.

Só em Braga, numa semana, aumentou para 26 o número de cobrança do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) aos edifícios religiosos de Braga – edifícios que, de acordo com a Concordata, estão isentos do pagamento do imposto.

“Continuam a mandar de uma forma contínua, para os párocos e para as igrejas, essas notificações para justificar que se cumpre o artigo 26º e, caso não haja explicação no prazo de quinze dias, termina a isenção”, afirma à Renascença o vigário geral da arquidiocese.

O cónego Valdemar Gonçalves teme que este pedido de explicações não tenha resposta atempada, dado estarmos em tempo de férias. “É um perigo”, diz.

Mas o responsável não quer fazer juízos de valor. “Não vou julgar mal, vou julgar bem. Vou julgar que as pessoas são zelosas, mas é zelo em demasia”, afirma.

Igrejas, residências, centros e salões paroquiais e centros sociais são alguns dos edifícios da Igreja que estarão isentos do pagamento de IMI, mas que têm recebido as notificações das Finanças.

Na leitura do Ministério das Finanças, a isenção fiscal limita-se "aos imóveis directamente afectos a fins religiosos”.

A reunião desta segunda-feira é promovida pelo responsável financeiro do Patriarcado de Lisboa, na sequência das queixas de várias paróquias.

Artigo 26º, Concordata de 2004

1. A Santa Sé, a Conferência Episcopal Portuguesa, as dioceses e demais jurisdições eclesiásticas, bem como outras pessoas jurídicas canónicas constituídas pelas competentes autoridades eclesiásticas para a prossecução de fins religiosos, desde que lhes tenha sido reconhecida personalidade civil nos termos dos artigos 9 e 10, não estão sujeitas a qualquer imposto sobre:

a) As prestações dos crentes para o exercício do culto e ritos;
b) Os donativos para a realização dos seus fins religiosos;
c) O resultado das colectas públicas com fins religiosos;
d) A distribuição gratuita de publicações com declarações, avisos ou instruções religiosas e sua afixação nos lugares de culto.

2. A Santa Sé, a Conferência Episcopal Portuguesa, as dioceses e demais jurisdições eclesiásticas, bem como outras pessoas jurídicas canónicas constituídas pelas competentes autoridades eclesiásticas para a prossecução de fins religiosos, às quais tenha sido reconhecida personalidade civil nos termos dos artigos 9 e 10, estão isentas de qualquer imposto ou contribuição geral, regional ou local, sobre:

a) Os lugares de culto ou outros prédios ou parte deles directamente destinados à realização de fins religiosos;
b) As instalações de apoio directo e exclusivo às actividades com fins religiosos;
c) Os seminários ou quaisquer estabelecimentos destinados à formação eclesiástica ou ao ensino da religião católica;
d) As dependências ou anexos dos prédios descritos nas alíneas a) a c) a uso de instituições particu1ares de solidariedade social;
e) Os jardins e logradouros dos prédios descritos nas alíneas a) a d) desde que não estejam destinados a fins lucrativos;
f) Os bens móveis de carácter religioso, integrados nos imóveis referidos nas alíneas anteriores ou que deles sejam acessórios.

3. A Santa Sé, a Conferência Episcopal Portuguesa, as dioceses e demais jurisdições eclesiásticas, bem como outras pessoas jurídicas canónicas constituídas pelas competentes autoridades eclesiásticas para a prossecução de fins religiosos, desde que lhes tenha sido reconhecida personalidade civil nos termos dos artigos 9 e 10, estão isentas do imposto de selo e de todos os impostos sobre a transmissão de bens que incidam sobre:

a) Aquisições onerosas de bens imóveis para fins religiosos;
b) Quaisquer aquisições a título gratuito de bens para fins religiosos;
c) Actos de instituição de fundações, uma vez inscritas no competente registo do Estado nos termos do artº 10.

4. A autoridade eclesiástica responsável pelas verbas que forem destinadas à Igreja Católica, nos termos do artigo seguinte, está isenta de qualquer imposto sobre essa fonte de rendimento.

5. As pessoas jurídicas canónicas, referidas nos números anteriores, quando também desenvolvam actividades com fins diversos dos religiosos, assim considerados pelo direito português, como, entre outros, os de solidariedade social, de educação e cultura, além dos comerciais e lucrativos, ficam sujeitas ao regime fiscal aplicável à respectiva actividade.

6. A República Portuguesa assegura que os donativos feitos às pessoas jurídicas canónicas, referidas nos números anteriores, às quais tenha sido reconhecida personalidade civil nos termos desta Concordata, produzem o efeito tributário de dedução à colecta, nos termos e limites do direito português.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo Pires
    30 ago, 2016 Lisboa 13:19
    A igreja são outra cambada de mafiosos. Enchem-se com milhares de esmolas do zé povinho e ainda querem ter regalias. Mas desde quando é tipos têm direitos mais que os outros?
  • fanã
    29 ago, 2016 aveiro 15:46
    Actividades lucrativas , devem no caso da Igreja, como qualquer outra entidade contribuir com o Imposto. E a Igreja Católica exerce varias !
  • Jorge
    29 ago, 2016 Seixal 15:27
    Não me apercebi de tanta indignação, quando a extrema direita governada pelo Coelho pafioso, despejou famílias inteiras para a rua por não pagarem o IMI, quando ficaram desempregadas.
  • Zépovinho
    29 ago, 2016 Lisboa 13:41
    Tenho a afirmar que : mais uma vez e de modo ostensivo o Estado Português , pela mão da maçonaria, carbonária, comunistas, persegue a Igreja Católica. Como não poderia deixar de ser, esta gente , sem vergonha e com um profundo ódio visceral a tudo o que possa ter alguma ligação com a religião católica, deita mão a tudo.
  • Joao semana
    29 ago, 2016 Porto 11:40
    Tudo o que tenha fins lucrativos da igreja ou seja de quem for deve pagar, Os locais de culto e os de solidariedade social devem ficar isentos. Quanto ao IUC, para que querem os deficientes carros de luxo. ? Tem todo o direito de os ter, mas que os paguem. Isenção deve ser só para utilitarios e carrinhas que são as melhores para acesso a cadeiras de rodas e outros meios do deficiente.
  • José
    29 ago, 2016 Aveiro 11:14
    A igreja - neste momento - é dona de ATLS, colégios, centros sociais para idosos, creches, aluga espaços para dança, karaté, judo, etc. ou seja, está no mercado como todos nós.
  • Rodrigues
    29 ago, 2016 Lisboa 11:06
    Metade de braga pertence a diocese a outra metade a diocese !!! Braga nao vai pagar imi?
  • Alexandre Reigada
    29 ago, 2016 Lisboa 11:03
    Atacam a Igreja Católica, a Família, a Escola e por fim os mais vulneráveis. Um regime moribundo que construiu uma sociedade apática que aceita todas as humilhacoes. Esta é a maior glória da III República, que descende da I República demagógica er anti-clerical da comuna de Lisboa, imposta a 5 de Outubro à bomba, e decretada para o resto do País, por telégrafo. Talvez tenha chegado o momento de voltar a descer de Braga e pòr ordem neste caos e acabar com esta infamia. de 40 anos de governos inaptos e corruptos.
  • Hugo Viana
    29 ago, 2016 VRSA 10:32
    Ao domingos: Acabar comisencao de IUC para deficientes com carros de 200 mil euros? Acho muito bem!
  • ricardo
    29 ago, 2016 curia 10:27
    Uma vergonha que num momento destes o maior proprietario de Portugal, a Igreja Catolica, se exima de pagar os impostos que ela propeia deveria ser a primeira a querer pagar. A crise nao toca a todos.