A+ / A-

Passos Coelho. Esquerda tem "obrigação moral" de aprovar Orçamento

28 ago, 2016 - 16:20

Líder social-democrata insiste que os indicadores conhecidos da execução orçamental mostram que é cada vez mais curto o espaço de cumprimento.
A+ / A-

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, diz ser "obrigação moral" da esquerda dar estabilidade ao país, aprovando o Orçamento do Estado para 2017.

"Existe uma obrigação moral. Os partidos que suportam este Governo comprometeram-se a conferir estabilidade política ao país", afirmou o ex-primeiro ministro.

Falando aos jornalistas à margem da visita que realizou à Feira Agrícola do Vale do Sousa, em Penafiel, Passos disse ser ao PCP, BE e PS "que cabe a responsabilidade de ter o entendimento que suporte o Governo e o seu principal instrumento de acção política que é o seu orçamento".

Para o líder da oposição, "a política que o Governo vem executando é uma política como o PCP e o BE têm vindo a reclamar". Portanto, concluiu Passos, "não há nenhuma razão para estar a antecipar problemas com o orçamento".

Questionado sobre a postura do PCP face ao orçamento de 2017 e o facto de aquele partido admitir que a Europa pode influenciar a preparação do documento, Passos respondeu: "Isso é o que o Partido Comunista diz agora, porque pretende ganhar algum espaço de influência e negociação junto do PS e do Governo".

O presidente do PSD previu depois que "o PCP, o BE e o PS entender-se-ão bem para fazer o Orçamento para o próximo ano".

O líder da oposição insistiu que os indicadores conhecidos da execução do actual orçamento mostram que é cada vez mais curto o espaço de cumprimento.

"A cada mês que passa, as contas vão ficando menos boas e com a experiência que tenho de Governo, sabendo o que sei da execução de orçamentos e conhecendo as opções que já foram tomadas e que se reflectirão nos próximos meses, vejo que haverá mais dificuldade em que o resultado que foi anunciado possa ser atingido", considerou.

Frisou, porém, que "o Governo ainda tem tempo para poder corrigir esse trajecto".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ricardo
    29 ago, 2016 curia 10:29
    Tirem me este homem da frente que ja nao o posso ouvir
  • Pedro Rodrigues
    29 ago, 2016 Queluz 06:34
    Mas ste homem não se cala? Não há saco para tamanha criatura!
  • Miguel Botelho
    28 ago, 2016 Lisboa 22:28
    Pedro Passos Coelho ainda tem tempo para poder corrigir o seu trajecto que é de desistir de ser líder da oposição. Neste momento, Rui Rio parece ser a figura mais consensual para ocupar o lugar de Pedro Passos Coelho.
  • João Lopes
    28 ago, 2016 Viseu 21:42
    É evidente que o governo social-comunista está a “oferecer” mais austeridade ao País, mas é uma austeridade docemente marxista: eles vão anestesiando os portugueses, ainda que o modelo proposto pela geringonça esteja a falhar...como muitos previam!
  • paulo
    28 ago, 2016 vfx 20:12
    O psd,com este "líder" está mesmo bem servido.....nas autárquicas vai já ver o descalabro e depois terá menos votos que o BE.
  • João Lopes
    28 ago, 2016 Viseu 19:29
    A geringonça social-comunista trouxe mais austeridade ao País, mas é uma “austeridade, marxista, doce”…
  • Pedro
    28 ago, 2016 Beja 17:01
    Passos o profeta da desgraca que não ocorreu e não ocorrerá.