O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Desemprego atinge números mínimos desde 2009

22 ago, 2016 - 12:10

Há sete anos que o número de desempregados inscritos nos centros de emprego não ficava abaixo de meio milhão.
A+ / A-

Cerca de 497.600 pessoas estavam inscritas em Julho nos centros de emprego, revelou esta segunda-feira o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). O número de desempregados inscritos caiu 6,6% em comparação com o mês homólogo em 2015.

Há sete anos que o número de desempregados inscritos nos centros de emprego não ficava abaixo de meio milhão.

Em comparação com o mês de Junho deste ano, o número total de desempregados registados em Julho diminuiu 2,7%, o que representa menos 13.979 pessoas.

Face ao mês homólogo de 2015, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego caiu nos dois sexos, mas a queda foi mais significativa nos homens (-7,9%), enquanto nas mulheres a redução se ficou pelos 5,4%.

Quanto ao grupo etário, jovens e adultos apresentaram uma descida anual do número de inscritos, de 9,2% e de 6,2%, respectivamente.

A nível regional, o desemprego diminuiu em todas as regiões do país, com o valor mais elevado na região do Algarve (-19,2%).

No que respeita ao tempo de inscrição, os desempregados inscritos há menos de um ano diminuíram 4,9% em relação a Julho de 2015, e os desempregados de longa duração (com tempo de inscrição igual ou superior a um ano) diminuíram 8,3%.

Já as colocações realizadas durante o mês de Julho de 2016 totalizaram 9.012, número inferior em 10% ao de igual período de 2015 e em 20% ao do mês anterior.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Gomes L
    22 ago, 2016 Lisboa 23:56
    Queria pedir à RFM, por favor deem-nos a possibilidade de colocar um gosto o não gosto em cada comentário.
  • Os arautos
    22 ago, 2016 pt 18:39
    da desgraça dos pafosos espumam de raiva! Inventam tudo para tentar descredibilizar a realidade! Os numeros estão comparados com o mesmo periodo de 2015 portanto será que em 2015 também não houve sazonalidade? As mentes brilhantes que aqui debitam, nem ler sabem! O clubismo é tanto que lhes faz arrefecer a inteligencia!...
  • graciano
    22 ago, 2016 alemanha 16:41
    com tantos milagres que esta geringonca esta a fazer daqui a algum tempo serao canonizados e colocados no altar --- viva o xuxalismo
  • Castroo Marim
    22 ago, 2016 Castro Marim 15:42
    Ó José Gonçalves v/ teve medo de falar português??? Ou só quis dar uma de "avec"?
  • José Gomes LL
    22 ago, 2016 Lisboa 15:17
    A aldrabice do números está a aumentar. Normal. ( Não foi por acaso que o derrotado, costa comunista, despediu 120 pessoas do IEFP para meter lá mais alguns 120 dos seus boys de confiança). Se a esquerda não andasse sempre a enganar as pessoas em todo o mundo, casos como os da Grécia, da Venezuela, e etc, já para não falar das 3X bancarrotas que o ps nos "deu"... não aconteciam, porque as pessoas votavam noutros partidos. Obviamente.
  • Rui
    22 ago, 2016 Portimão 15:07
    Pois é ... deixem chegar a Outubro vai subir nas horas
  • vitor leal
    22 ago, 2016 leiria 15:03
    Isto é tudo uma grande MENTIRA. No Verão há trabalho sazonal, por 3 meses ; juntando isso ao fato de quem perde direito ao fundo de desemprego saí da estatística, quem esta no fundo desemprego e é convocadora para ir para as Câmaras Municipais, e instituições do estado tipo, Segurança Social, IMTT, Ministério Educação, etc etc também sai da estatística e continua sem emprego, pois contrato trabalho não existe, mas sim ocupação.. prova o que afirmo. Isto continua na mesma.. não aumenta atividade económica, não há empresas novas.. como pode haver diminuição do desemprego. Não podemos esquecer os que passaram á reforma.. que já são mais que os ativos. Os nºs divulgados na semana passada de quem passou á reforma nos últimos 2 anos são escandalosos.
  • Eborense
    22 ago, 2016 Évora 14:55
    Se o País não cresce, porque não há investimento, então porque desce o desemprego? Só pode ser milagre! Ou milagre da 1ª ministra Catrina e das irmãs Mortágua, ou do Dr. Jerónimo de Soisa, ou então do Dr. Costa e sus muchachos.
  • Joao Oliveira
    22 ago, 2016 Dublin 14:54
    Estes numeros, embora aparentem ser animadores, escondem 2 fatores que nao podemos esquecer: - Estamos no verao, onde o turismo cria novos postos de trabalho (o Algarve e um excelente exemplo). - Estes numeros refletem os inscritos nos centros de emprego. Muitos desempregados nao estao inscritos, ou nao fazem parte destes numeros (cursos profissionais e de formacao, ou outros). Tambem poderiamos falar da emigracao (eu proprio faco parte destes numeros), que alivia estes numeros um pouco. Mas, logo que o verao termine, veremos uma leve subida do desemprego. Esperemos que o governo nao faca publicidade pouco honesta destes numeros. O que importa e: cerca de 10% da populacao ativa nao esta empregada; isto e demasiado!
  • David
    22 ago, 2016 centro 14:52
    O desemprego crónico está para ficar, é sistémico e seria menos dramático caso o sistema garanti-se o minimo para uma vida digna através de subsidios, dando as pessoas a oportunidade de iniciar uma vida mais espiritual e menos materialista, seriam felizes com muito menos e tornaria a vida na terra sustentavel.