O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Há uma “onda terrorista devidamente organizada” por trás dos fogos florestais

12 ago, 2016 - 14:32

É o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses que o diz.
A+ / A-

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, considerou esta sexta-feira que há uma “onda terrorista devidamente organizada” que provoca incêndios florestais.

Depois de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, Jaime Marta Soares não classifica de incompetência política o tempo em que foi feito pelo Governo o pedido de ajuda dos meios aéreos, mas admite ter sido “um erro estratégico”.

Sobre o que diz ser uma “onda terrorista” que provoca os incêndios florestais, o presidente da Liga considera impossível haver ignições de fogo com uma frente tão vasta como as que se têm verificado nestes últimos fogos na zona norte e centro do pais e Madeira.

Marta Soares lembrou que 98% dos fogos florestais têm mão humana e que desses 75% serão de origem criminosa.

Marcelo: Não houve "má vontade europeia"

O Presidente da República acredita não ter havido má vontade europeia na resposta ao pedido de ajuda feito por Portugal para o combate aos incêndios florestais que devastam o país.

“Não penso que haja má vontade europeia em relação à solicitação portuguesa”, afirmou o chefe de Estado no final da reunião com Jaime Marta Soares.

Marcelo recordou que “em curto espaço de tempo” houve respostas de Espanha, Itália, Marrocos e Rússia que deslocaram para Portugal vários meios aéreos. “É uma resposta, que não sendo massiva, vem ajudar significante a intervenção das forças no terreno”, declarou aos jornalistas.

Na quinta-feira, em Arouca, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, mostrou-se insatisfeita com a resposta dos parceiros europeus ao pedido de ajuda de Portugal civil para fazer face aos muitos incêndios que lavram no país.

"Estava à espera de uma maior solidariedade dos parceiros europeus", afirmou a ministra, sublinhando que Marrocos, apesar de não pertencer à União Europeia, respondeu prontamente ao pedido de auxílio.

O Presidente prometeu ainda “acompanhar muito de perto” decisões políticas que devem ser tomadas relativamente à prevenção dos incêndios e à implementação de medidas de protecção das florestas, após este período de incêndios.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • a
    12 ago, 2016 a 22:16
    Realmente há algo de estranho... A polícia judiciária só apanha malucos, bêbados, ex-presidiários, e outros com o subsídio do rendimento mínimo. Alguém anda a dormir...
  • vareiro
    12 ago, 2016 aveiro 21:41
    Como o sr Ventinhas diz que o aumento das penas não resolve talvez não o sinta, porque não lhe terá morrido alguém próximo num incêndio, não terá ardido a sua casa não terá queimado nenhum bem, pois se isso tivesse acontecido... mas para o que está em causa é a pena mínima. Alguém que provoque um incêndio com dolo (criminoso incendiário) não pode haver dois caminhos ´se é criminoso é criminoso a pena mínima tem que ser igual à pena máxima. Mas não iam para a prisão ver televisão era roçar mato com escolta para pagar a sua estadia e os prejuízos causados ao Ambiente e os bens perdidos dos Proprietários, retirada os direitos como carta de condução e outros. Esta coisa de coitadinhos só serve para dar a ganhar dinheiro a quem protege criminosos.
  • Carlos Augusto
    12 ago, 2016 Lisboa 21:17
    Para completar as afirmações do Presidente Liga Bombeiros, os criminosos são senhores engravatados que se encontram por trás dos incendiários, que quando apanhados se fazem de malucos e não denunciam quem lhes pagou p serviço.
  • Maria
    12 ago, 2016 Porto 19:25
    Esperemos que à luz destas afirmações públicas do Sr. presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, o Ministério Público abra uma investigação, de outra forma, é o descrédito.
  • F.Morais
    12 ago, 2016 Caparica 18:40
    Este Sr. se sabe diga o que é e quais os interesses , os instalados sei eu quais são é os dele e de mais alguns agora queremos saber os que diz.
  • Manuel Silva
    12 ago, 2016 Pombal 18:20
    Já faltava este senhor, é incrível como determinadas pessoas, pretensamente, responsáveis tem, e mantém, este tipo de discurso, seria bom saber-se a razão, ou melhor, até se tem umas suspeitas. O pior e andei por certas reuniões onde o tema dos fogos florestais era debatido e isto é o que perpassa pela estrutura de combate, para eles todos são criminosos e quem disser o contrário esta lixado, com um efe muito grande e não é ouvido.
  • ó maria de lourdes
    12 ago, 2016 lis 18:16
    E você comenta com toda a ignorancia que tem!...É ele que não diz nada ou é você que não percebe? Areia demais para a camionete!...
  • Nekas
    12 ago, 2016 Lisboa 18:08
    Infelismente há muitos fogos que são ateados prepositadamente por terrorismo politico,pessoas a quem interessa prejudicar o país e quem o governa,há aproveitamento de contras e sem moral atirando com cigarros onde existe ervas secas e matos que sabem ser férteis atomizadores,a imoralidade está em grande.
  • CAMINHANTE
    12 ago, 2016 LISBOA 17:56
    Ao menos o Sr.. comandante não tem papas na língua... é que o problema é esse...
  • Mario
    12 ago, 2016 Portugal 17:35
    Penso que tem razão há interesses nos terrenos para construção assim como na madeira. E acredito que alguns autarcas conhecem o assunto e são cúmplices pois recebem luvas.