A+ / A-

Dois suspeitos de fogo posto apanhados em flagrante delito na Madeira

10 ago, 2016 - 10:13

Presidente do Governo Regional da Madeira confirma a morte de três pessoas na sequência dos fogos, mas não quer criar “uma situação de culto do alarmismo”. Presidente da República e primeiro-ministro deslocam-se esta quarta-feira à região.
A+ / A-

Veja também:


As autoridades policiais da Madeira surpreenderam duas pessoas a pegar fogo, o incêndio na ilha lavrava com grande intensidade. A informação foi divulgada esta quarta-feira de manhã pelo presidente do Governo Regional.

“É um caso numa quinta específica, onde os incendiários foram apanhados em flagrante delito”, anunciou Miguel Albuquerque em conferência de imprensa, acrescentando que “este é o terceiro incêndio espoletado no mesmo sítio – sítio da Cova - sempre por fogo posto”.

Sobe assim para três o número de suspeitos de fogo posto na Madeira, uma vez que já tinha sido identificado um outro, que agora estará em prisão preventiva e que terá dado “início a esta tragédia”.

Miguel Albuquerque não se quis alongar sobre a nova “situação muito particular”, deixando a divulgação de mais dados para “as autoridades competentes”.

O incêndio começou na segunda-feira à tarde e já fez três vítimas mortais – “pessoas idosas em Santa Luzia, onde duas casas foram afectadas”, afirmou o presidente do Governo regional.

Além disso, há duas pessoas feridas com gravidade e 327 deram entrada nas urgências com pequenas queimaduras e problemas respiratórios. Ficaram 80 internadas.

Há ainda uma pessoa desaparecida e mil pessoas foram retiradas de habitações e hotéis durante a noite, tendo muitas dela também fugido de casa em pânico. Os realojados, habitantes e turistas, encontram-se no Regimento de Guarnição nº 3, no Funchal (600), no estádio dos Barreiros (300) e no centro cívico de São Martinho (50).

Durante a noite, uma mudança na direcção do vento impediu os bombeiros de evitarem a destruição de um dos hotéis mais emblemáticos da região: o Choupana Hills.

Esta quarta-feira, a situação parece estar mais calma e Miguel Albuquerque retomar o mais depressa possível a normalidade na ilha. O governante afirma que existem “alguns incêndios florestais que se aproximam de zonas do nosso património” (floresta laurisilva), mas que os meios – regionais e os que entretanto chegaram de Lisboa e dos Açores para apoiar o combate às chamas – estão a ser dispostos no terreno “o mais correctamente possível”.

“A situação é complicada, mas não é catastrófica. A ilha está a funcionar”, garantiu, acrescentando que a "situação está normal na principal zona hoteleira da cidade". Miguel Albuquerque apelou ainda a que não se crie "uma situação de culto do alarmismo, visto que a Madeira é uma terra turística e é necessário manter alguma serenidade".

A região autónoma dos Açores enviou para a Madeira 30 bombeiros e de Lisboa seguiram mais 30, além de com cinco elementos do INEM.

Presidente e primeiro-ministro vão à Madeira

Ainda esta manhã, o Governo Regional da Madeira vai reunir-se de emergência na sede do executivo.

A reunião está marcada para depois da visita de Miguel Albuquerque às zonas mais afectadas (Boa Nova e Choupana), sendo que Miguel Albuquerque pretende delinear uma "estratégia para a reposição rápida da normalidade, que passa por criar condições de normalidade e imagem de normalidade da Madeira".

Mais tarde, deverão chegar à ilha o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa. Pretendem inteirar-se da situação na ilha provocada pelos incêndios.

Segundo fonte do gabinete do primeiro-ministro, Marcelo e Costa acordaram em conjunto a deslocação à Madeira. Na quinta-feira, o primeiro-ministro vai reunir-se com o Governo Regional e com os presidentes das três Câmaras Municipais mais afectadas pelos incêndios.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    11 ago, 2016 aveiro 16:32
    Os criminosos são o ganha pão dos juízes e do sistema de justiça, se os prenderem , lá se vai a matéria prima que os alimenta !
  • Fernanda
    10 ago, 2016 caldas da rainha 16:55
    Nem sei por onde começar...Apenas dizer que lamento a vida dos bombeiros e de seu familiares, que lamento tudo que o lume engoli-o, que lamento as vidas perdidas e que lamento muito mais os governos que ate ao dia de hoje temos tido....e estes sim são os maiores responsáveis, porque criam leis onde o incendiário criminoso é julgado, e-lhes dado um estatuto de quem esta afectado psicologicamente, passam a tribunal sao colocados na rua, ou ficam com termo de residência...ou então sao julgados e passados poucos anos estão a fora a fazer o mesmo. Isto nao tem soluçao à vista porque mesmo nas "barbas" dos habitantes e dos Bombeiros eles andam à frente atear novos fogos, por isso num estalar de dedos aparece logo ateado em varias frentes. Eu só temo que alguém sofrido e revoltado com esta situação um dia pense em atar um criminoso a um pinheiro ate ele ter as unhas dos pés a encaraquilhar. E lamento nao pelo criminoso,...claro, mas pela pessoa que um dia perder a cabeça porque aí...é ela a ir presa e a ser responsabilizada...aí nao vai haver quem o defenda, mas se for um criminoso tem as leis a seu favor. Será que agora os governantes também vão criar um IMI para quem teve as vistas privilegiadas e viradas para as chamas? uma vez que à noite deve de ser "indescritível" será???
  • Eduardo
    10 ago, 2016 Montijo 16:35
    Desde quando é que um individuo que é apanhado em flagrante, é suspeito?! Há que repensar nas sentenças que são dadas a estes tipos, assim como sentenciar os juízes que absolvem incendiários.
  • Maria Machado
    10 ago, 2016 Tavira 15:33
    Nenhum PORTUGUÊS consegue entender a passividade de um governo que não tem mão pesada para um incendiário. Malucos somos nós não fazermos justiça palas nossas mãos se os apanharmos....e os senhores juízes que os poem em liberdade talvez tivessem outra atitude se o fogo fosse nas suas propriedades. Já é tempo de acabar com esta situação.
  • Mario Casanova
    10 ago, 2016 Lisboa 14:56
    E que tal fazer a pergunta: "quem ateou o fogo?"... Este ano já foram capturados 25 incendiários por todo o país, inclusive, o incendiário do Funchal. E que tal entrevistar esses 'bons rapazes' com psicólogos para procurar entender PORQUÊ que fizeram isso?... Talvez se consiga entender o que nós, enquanto sociedade, podemos todos fazer colectivamente e individualmente, para melhorar os nossos comportamentos cívicos e morais, a educação desde a infância, para ensinar ao nosso povo a ter amor e respeito pela natureza, que é de todos, que é a nossa Mãe. É preciso fazer um grande trabalho de consciência para prevenir os futuros incendiários. A culpa não é da árvore, é da mão que acende o fósforo.
  • Paula Cristina
    10 ago, 2016 Braga 14:52
    Como é possível esses criminosos com antecedentes criminais do mesmo género andarem à solta? São todos criminosos. O governo tem de mudar a constituição. Tem de haver penas severas para esses assassinos que cometem várias vezes o mesmo crime.
  • Revoltada
    10 ago, 2016 Lisboa 14:16
    Suspeitos?? Apanhados em flagrante e são suspeitos? Agora soltem-nos como fazem aos outros... não aprendam com os erros, não!
  • Camarada Zequinha
    10 ago, 2016 Alfornelos 13:59
    Pois esses incendiários estão desgraçados . Vão para casa com termo de identidade e residência .Como não tem residência da-se-lhes uma boa casa . Quanto a dinheiro da-se-lhes o rendimento mínimo . E O POVO QUE T6RABALHA A PAGAR PARA TUDO ISTO ...
  • Quim Canhão
    10 ago, 2016 Lisboa 13:55
    Há dias, quando começaram os incêndios a comunicação falava sobre as limpezas das matas e , essencialmente próximo e dentro dos povoados. Alguns responsáveis políticos diziam, sabe-se lá porquê, que não era bem assim e não havia necessidade de os crucificar. Virada a página eles já não são responsáveis; agora são os incendiários. Diz-se que existem dezenas de norte a sul e nas ilhas. Mas alguém os viu. No fim da época de incêndios lá se sabe de um ou dois. O fogo é num negócio com o qual muitos lucram. Todo o equipamento se não for utilizado não se estraga e sendo assim não é necessária a sua substituição.
  • graciano
    10 ago, 2016 alemanha 13:46
    o que esperar deste pais onde secretarios de estado sao suburnados e nem sequer sao demitidos onde governos desgovernam e nao sao julgados onde incendiarios apanhados em flagrante sao apenas suspeitos onde os deputados vao para a assenbleia da republica jugar computador e fazer sessoes de teatro onde os policias sao presos e os criminosos vao para a rua com direito a rendimento minimo onde um politico com meia duzia de anos no governo fica a receber mais de 3000 euros e um reformado como no meu caso que servi o meu pais durante 3 anos na guerra que descontei 32 anos recebo 300 euros