O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Igreja apresenta migrantes e refugiados como “rosto da misericórdia”

07 ago, 2016 - 09:39 • Ana Lisboa

Começa este domingo a Semana Nacional das Migrações. Bispos pedem que se olhe para os refugiados com misericórdia e não como mão-de-obra barata.
A+ / A-

A Semana Nacional das Migrações decorre desde este domingo até ao próximo, 14 de Agosto, este ano com o tema “Migrantes e refugiados – rosto da misericórdia”. Trata-se de um tema actual, que tem sido muitas vezes abordado pelo Papa Francisco. Ainda recentemente, na sua visita à Polónia, Francisco apelou à disponibilidade para acolher os refugiados.

O mesmo defende o bispo de Beja. O também presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana considera que “precisam de ser acolhidos com misericórdia, não apenas com a perspectiva de serem mão-de-obra barata e que se pode explorar”. Em seu entender, “não podemos olhar à cor de pele ou à religião, mas temos que acolher com humanidade e com misericórdia as pessoas. É esse exemplo que o Papa nos tem dado e as muitas mensagens que nos tem dirigido”.

D. António Vitalino pede ainda que “as comunidades cristãs, quando as pessoas chegam e batem à porta, devem abrir-se , devem criar outra mentalidade e não fechar-se em si mesmas e ver o outro como um inimigo, como alguém que nos vem incomodar. E, portanto, há muitas vezes da parte das comunidades cristãs um certo medo, um certo fechar-se em si mesmas e pouca abertura e pouca hospitalidade”.

O bispo de Beja defende que as leis da imigração “precisam de ser adaptadas às situações de emergência. E tratando-se de uma emergência humanitária, não podemos ir só pela legislação em vigor que regulamenta os fluxos dos migrantes”.

Iniciativas da Semana Nacional das Migrações

O ponto alto desta Semana é a peregrinação internacional ao Santuário de Fátima a 12 e 13 de Agosto que habitualmente reúne milhares de pessoas, nomeadamente, muitos emigrantes que nesta altura se encontram por cá de férias.

D. António Vitalino diz que “junta sempre para cima de cem mil emigrantes”.

No próximo domingo, 14 de Agosto, último dia desta Semana, o ofertório das Missas reverte a favor da Pastoral da Mobilidade Humana.

O Bispo de Beja queixa-se da falta de recursos financeiros: “Nos últimos anos, devido à crise económica, mas não só, os donativos têm diminuído e estamos a braços com algumas dificuldades para manter as obras que criámos. Daí que nós estamos dependentes dessa solidariedade, porque sem solidariedade é impossível mantermos as nossas obras”.

Vão ser oito dias a reflectir sobre os migrantes e refugiado, uma questão que tem sido um desafio para a Europa que enfrenta o maior fluxo migratório desde a segunda guerra mundial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • asilva
    07 ago, 2016 adelaide 12:42
    ... Este papa "chico" e sem duvida um dos melhores papas que a igreja catolica ja alguma vez teve... A grande "diferenca" entre a Biblia e o Corao (islao) e sem duvida que a Biblia e um livro de paz ... o Corao um autentico "manual" de guerra. Na Biblia diz "perdoar aos teus inimigos" no Corao diz para matar aqueles que nao sao crentes ... por isso esta gente do Islao vive ha 2016 anos em constantes guerras e irao continuar, nunca viverao em paz enquanto esta religiao nao for reformada para um nivel do seculo 21... Esta religiao nao esta preparada para viver na democracia do Oeste, e uma religiao so para ditadores / para "democracias" do Este / Medio Oriente... (como Indonesia). O mundo nao tera "sossego" enquanto a religiao do Islao nao for reformada. O Oeste continuara a "mandar ca para fora" constantes "excuses" acerca dos terroristas e eles continuaram a matar "nao crentes" ... A geracao em "control" do Oeste e uma geracao "perdida no tempo".
  • Yaca
    07 ago, 2016 Damaia 11:18
    E já agora convertam as igrejas em mesquitas. E coloquem os refugiados nos edifícios da igreja, seminários e outros. Deixam matar os católicos da Síria e da Igreja nem uma palavra! Sim. Porque a caridade começa por nossa casa.