A+ / A-

Costa e Passos discutem sobre se o diabo “já foi” ou se “vem aí”

22 jul, 2016 - 14:17

O primeiro-ministro e o líder da oposição estão em guerra aberta e o tom das acusações está a subir.
A+ / A-

O primeiro-ministro afirmou esta sexta-feira que é "com os olhos postos no futuro", com "estabilidade" e "políticas públicas certas" que o país se "livra do diabo", acrescentando que vai ser possível cumprir este ano as metas do défice. Passos tinha há uns dias dito aos militantes do PSD para descansarem das férias que em Setembro “vem aí o diabo”.

"É com os olhos postos no futuro, com estabilidade, com políticas públicas certas e com a aposta na inovação que nós nos livramos do diabo e ganhamos confiança e capacidade para vencer no futuro. Essa tem que ser a nossa trajectória e é para isso que nós temos de trabalhar", afirmou António Costa em Matosinhos, distrito do Porto.

Para o primeiro-ministro, "se não nos concentrarmos na execução dos seis pilares fundamentais do Plano Nacional de Reformas (...) estaremos certamente daqui a uns anos, não a celebrar que este foi o primeiro ano onde vamos conseguir cumprir as metas do défice, mas estaremos novamente a discutir sanções por não cumprirmos as metas do défice".

Na cerimónia do lançamento de Laboratórios Colaborativos na área aeroespacial e da mobilidade eléctrica, que decorreu no CEiiA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto) Costa afirmou também que, "felizmente, o diabo já lá vai" e que o Governo está "centrado de novo naquilo que é essencial", aludindo uma frase que, de acordo com o jornal "Público", Pedro Passos Coelho terá dito na reunião da bancada do PSD na passada terça-feira.

"Gozem bem as férias que em Setembro vem aí o diabo", disse, segundo o jornal, o líder social-democrata, na reunião que decorreu à porta fechada.

Para Costa, "houve um momento de hesitação e em que se pensou que podíamos voltar a andar para trás e que podíamos voltar a ser competitivos não com base no conhecimento mas com base nos baixos salários, não apostando na inovação das energias renováveis mas discutindo o custo do investimento da energia renovável, em que se sacrificou a mobilidade eléctrica".

"Mas felizmente o diabo já lá vai e estamos agora centrados de novo naquilo que é essencial: ter os olhos postos no futuro e perceber que só seremos competitivos mesmo enquanto investirmos na educação, do pré-escolar à educação de adultos", vincou.

"Não podemos dizer hoje que o conhecimento é prioritário, e amanhã que é prioritário baixar salários"

António Costa apontou que a assinatura no CEiiA do contrato do desenvolvimento de um Laboratório Colaborativo na área do aeroespacial e da mobilidade eléctrica "significa o compromisso de quem produz o conhecimento, de quem o pode transmitir às empresas e das empresas em que é essa inovação que vai ser o futuro" do país.

Também com a assinatura de um protocolo para a concretização de um novo veículo eléctrico interactivo e com capacidade autónoma em meio urbano é possível perceber "que, de facto, é preciso ter os olhos postos no futuro", referiu.

"E para isso é necessária estabilidade nas políticas públicas, de forma a que elas possam ter continuidade", disse, "nós não podemos dizer que o conhecimento é hoje prioritário e voltar a dizer amanhã que o que é prioritário é baixar salários, não".

Costa alertou que o país não pode voltar a equivocar-se quanto ao caminho a desenvolver no futuro, defendendo uma aposta "no emprego qualificado, em emprego melhor, porque é esse que fixa e atrai talento".

"Foi muito bom termos sabido que o desemprego baixou 4,4% de maio para Junho e 4,7% de Junho passado para Julho deste ano, mas o desemprego não continuará a descer sustentadamente se andarmos para trás, só descerá sustentadamente se apostarmos na inovação e, para além de diminuirmos o desemprego, aumentarmos o emprego de qualidade, o emprego técnico, cientifico, o emprego que gera valor", sustentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CF
    22 jul, 2016 Beja 22:09
    Um filosofo diria e disse: “O inferno são os outros”, talvez ao idealizar um abraço de diabretes.
  • zaratrusta
    22 jul, 2016 alcains 22:03
    Recordemo-nos da narrativa do trapassos/2011. "Aqueles que são responsáveis pelo resvalar da despesa têm de ser civil e criminalmente responsáveis pelos seus actos." "Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português." "A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento." Um Governo mais forte imporá menos sacrifícios aos contribuintes e aos cidadãos." "O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento." "Já ouvi o primeiro-ministro dizer que o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e é um disparate." "Não aceitaremos chantagens de estabilidade, não aceitamos o clima emocional de que quem não está caladinho não é patriota" "Como é possível manter um governo em que um primeiro-ministro mente?" “não usaremos nunca a situação que herdamos como desculpa para o que tivermos que fazer”. “Governo não irá desculpar-se com o passado” "Estas medidas põem o país a pão e água. Não se põe um país a pão e água por precaução." "Estamos disponíveis para soluções positivas, não para penhorar futuro tapando com impostos o que não se corta na despesa." "Vamos ter de cortar em gorduras e de poupar. O Estado vai ter de fazer austeridade, basta de aplicá-la só aos cidadãos." "Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Os que têm mais terão que ajudar os que têm menos.
  • Luis Santos
    22 jul, 2016 Almada 18:37
    Com dois anjinhos será caso para dizer:- "Venha o diabo e escolha?" Mas no entanto fico um pouco preocupado com as palavras do anjinho mais novo quando alerta os "súbditos" para o que vem em setembro! E eu penso:- "O que será que ele está a preparar ou já tem preparado para setembro?" Dá para pensar, não?
  • barsanulfo
    22 jul, 2016 alcains 18:30
    As Consequência e o Resultado de 4 anos de Governo PSD/CDS. Descemos 3 posições no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU. 1,5 milhões de desempregados (real). Défice sem baixar, na proporção dos cortes e impostos. Dívida a chegar aos 225 mil milhões, 135% do PIB. Em 4 anos emigraram 450 mil. Foram destruídos 450 mil postos de trabalho. 2 milhões de pobres, em 2011. Em 2013, são já 2,7 milhões. Em 2013, 660 mil famílias não conseguiram pagar empréstimos a bancos. 500 mil pessoas com salários penhorados em 2014. 500 mil pessoas com salários penhorados em 2014.Algumas centenas de casais desempregados perderam as sua habitações, penhoradas por pequenas dividas ao fisco. A homilia de 2011:Aqueles que são responsáveis pelo resvalar da despesa têm de ser civil e criminalmente responsáveis pelos seus actos." "Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português." "A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento." "A pior coisa é ter um Governo fraco. Um Governo mais forte imporá menos sacrifícios aos contribuintes e aos cidadãos." "O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento." "Já ouvi o primeiro-ministro dizer que o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca o faremos" Homilia em 2016: Catástrofe!
  • Passatempo
    22 jul, 2016 lx 17:45
    Olhando para a foto, ora digam quem tem cara de cinico?...Olha para baixo e não de frente, olhos nos olhos!...O comprometimento com as malfeitorias é muito, apesar da insensibilidade social que tem!
  • ZLASEST
    22 jul, 2016 ODIVELAS 17:33
    o diabo permanece e nesta onda demoníaca os políticos são os principais agentes, já que O DIABO É O PAI DA MENTIRA e não há e não haverá, um único político que não seja trapaceiro, hipócrita, mentiroso, petulante . Um político é o melhor agente satânico, pois só quer o poder e tudo fará para o conquistar. O povo, bem, nem o ZÉ DO MANGUITO sobreviveu. Querem lá saber do povo e dos seus direitos ao trabalho, das suas liberdades, da sua saúde, da sua educação, da solidariedade social...quem manda é este sindicalismo obsoleto e ditador, em que os seus dirigentes comem tudo ou quase tudo e nunca o povo tem ou terá paz, tranquilidade e estabilidade. Um País à beira mar plantado mas que, se está afundando na miserabilidade dos seus cidadãos. Olhem para os jardins e alamedas e recriem-se ao vê-los, sim, os espoliados da reforma...jogando as cartas ou dominós pois, O ESTADO não criou, não soube defender e provisionar, o envelhecimento do seu povo. Por ter estado, na guerra colonial, esse Estado, na sua democracia irracional e que só defende o umbigo dos parlamentares e outros políticos, dá-me um subsídio de €72 anuais... Viva Portugal que, aos estrangeiros recebe e dá tudo, educação, trabalho, alojamento, saúde e aos filhos da casa...nada dá. Viva a solidariedade imposta e aceite, por uns milhões negociados !!! Um País que gere os Bancos, quase todos falidos ou á beira disso mas, que paga vencimentos especulativos, dá-lhes tudo socialmente e ainda , os coloca no estrangeiro...VIVA !!!
  • barsanulfo
    22 jul, 2016 alcains 17:32
    Vêm ai as trevas, depois de mim, o dilúvio, segurem-me senão vou-me a ele, destruição, fome, miséria, catástrofes inimagináveis, mortes, fugas em massa, os lagos secarão, os rios serão pequenos riachos, o céu será negro, o mar afastar-se-á mil quilómetros da costa, O BdP, será pouco mais que uma loja de vão de escada, os restantes bancos nem para ATM servirão, a Espanha erguerá um muro com mil e quinhentos quilómetros, afastado da fronteira com o país outros dez, os hospitais ficarão sem telhado e os doentes morrerão todos, o Tejo secará, Lisboa arde, os barcos encalham, as pontes vão ruir, as igrejas ardem, os padres morrem, os passarinhos ficarão sem penas, o Alentejo será um deserto. Catástrofes e mais catástrofes. Um dia, eis senão quando, ressuscitado, vindo das brumas, da poeira, coberto de negro, surgirá o salvador. Eis o messias de Massamá, terra longínqua, do antigo e deserto concelho de Sintra, para salvar a nação e os os poucos sobreviventes.Em peregrinação, visitará a tumba do devastador Costa, que com a ajuda e apoio dos desaparecidos cidadãos, o apeou e impediu de colocar a mão no pote. O messias de Massamá, virá para nos salvar, o grande, colossal verme.
  • O Diabo
    22 jul, 2016 lis 17:26
    em forma de gente, enquanto não seguir os seus conselhos que deu aos outros para emigrarem e sairem da sua zona de conforto, continua por cá, a atentar-nos a inteligencia e a sacrificar o país e os portugueses, com retórica e estrategia do quanto pior melhor! É a politica da terra queimada como faz qualquer incendiário!
  • Mandem este gajo
    22 jul, 2016 port 17:15
    para a Manta Routa, passar ferias!... E a seguir que siga os seus proprios conselhos, deixe a zona de conforto e emigre! Talvez, como a sua experiencia profissional é zero, nunca fez nada na vida, a não ser como caloteiro da Segurança Social, talvez consiga ganhar alguma coisinha para o curriculo!
  • Antonio Almeida
    22 jul, 2016 V.N. de Gaia 17:11
    NEM A VACA VOADORA O VAI SALVAR SR.COSTA.