|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Portuguesa escondeu-se no mar para fugir ao ataque em Nice

15 jul, 2016 - 01:15 • Liliana Monteiro

"Quando não ouvi mais tiros comecei devagarinho a percorrer a praia pelo mar, para tentar ir para a minha casa”, conta a emigrante em declarações à Renascença.

A+ / A-

Uma emigrante portuguesa, que se encontrava na zona do atentado desta quinta-feira à noite, em Nice, conta à Renascença que fugiu para o mar para escapar ao ataque.

“Fui ver o fogo-de-artifício no Passeio dos Ingleses. Começo a ver imensa gente a correr. Não me apercebi logo do que se passava. Esperei algum tempo até que comecei a ouvir tiros e também comecei a correr”, relata a cidadã portuguesa que pediu para não ser nomeada.

Descreve os momentos de pânico e muita confusão vividos em Nice, em resultado do ataque com um camião que provocou pelo menos de 76 mortos e dezenas de feridos.

“Desci até à praia e escondi-me no mar juntamente com imensa gente até que os tiros parassem. Havia imensa gente a fugir, a cair e a não perceber exactamente o que se passava. Só quando ouvi os tiros é que corri. As pessoas falavam ao telemóvel e diziam que havia mortos”, afirma.

“Houve imensos tiros durante um curto período de tempo. Quando os tiros pararam as pessoas continuaram a correr. Até casa vi grupos de pessoas a correrem imenso e não conseguia perceber se havia mais algum problema ou se ainda era pânico pelo que tinha acontecido. Quando não ouvi mais tiros comecei devagarinho a percorrer a praia pelo mar, para tentar vir em direcção a minha casa”, relata a emigrante portuguesa.

Atentado faz dezenas de mortos em Nice
Atentado faz dezenas de mortos em Nice
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lavínia
    15 jul, 2016 Covilhã 16:36
    Pobres inocentes (os que morrem e os que ficam) que continuam a cair como tordos, sem nada terem contribuído para este desfecho. Contribuem, isso sim para objetivos inconfessáveis de quem na sombra movimenta todas as peças do xadrez. O resto, (os dias de luto nacional, as lágrimas de crocodilo, os pêsames de quem não pesa nada, as historietas na comunicação social) é conversa de chacha. Desrespeito e afronta a quem realmente sofre com a perda dos seus.
  • mara
    15 jul, 2016 Portugal 07:31
    O Mundo está horrendo, não concordo com guerras, mas concentrarem-se num campo de batalha para defesa dos seus interesses é mau,porque há o diálgo, mas atos destes em que se matam inocentes sem dó nem piedade são horrendos...Que Nossa Senhora cubra a Europa com o seu Divino Manto.
  • asilva
    15 jul, 2016 adelaide 05:06
    Aqui temos a repeticao de sempre ... Quando e quanto mais pessoas sao necessario morrer para o West entender que esta "gente" do medio oriente tem valores diferentes de viver e a religiao e de vinganca, seras como nos ou seras morto...simples !!!