O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Durão Barroso vai ser presidente da Goldman Sachs International

08 jul, 2016 - 13:28

O ex-presidente da Comissão Europeia passará ainda este mês a ser presidente não-executivo de um dos maiores bancos de investimento do mundo.
A+ / A-

Durão Barroso vai ser presidente não-executivo e consultor da Goldman Sachs International. A notícia foi avançada pelo "Expresso" e confirmada pela Goldman Sachs.

Com sede em Londres, a Goldman Sachs International é a maior subsidiária da instituição. A nomeação de Durão Barroso já foi sujeita à aprovação dos vários reguladores financeiros britânicos, incluindo o Banco de Inglaterra.

Durão Barroso passará ainda este mês a ser presidente não-executivo deste que é um dos maiores bancos de investimento do mundo, a par do J.P. Morgan.

Numa entrevista recente à SIC e ao "Expresso", o ex-presidente da Comissão Europeia já tinha anunciado que se iria dedicar ao sector privado.

Segundo o Corporate Europe Observatory, que acompanha as grandes figuras do mundo da economia europeia, Durão Barroso é quem mais acumula cargos no período pós-CE: 22 em várias organizações diferentes.

Ainda de acordo com o Corporate Europe Observatory, que analisa as ligações entre as empresas e os seus lóbis ao processo legislativo europeu, mais de um terço dos comissários que fizeram parte do segundo executivo de Durão Barroso na Comissão Europeia aceitaram empregos em empresas e organizações nesse sentido.

Embora a maioria dos cargos seja honorífico ou "pro bono", existem vários cargos no meio académico, da Califórnia a Macau, e ainda postos nas administrações de várias entidades culturais, de Madrid a Bruxelas.

A lista dos cargos pós-Comissão ocupados por Durão Barroso é a seguinte:

  • Membro do Institute of Public Policy de Belgrado
  • Chairman da UEFA Foundation for Children
  • Professor visitante da Universidade de Princeton
  • Membro do conselho consultivo da McDonough Shool of Business, da Universidade de Georgetown.
  • Membro do conselho internacional da Ópera de Madrid
  • Membro da administração do The Europaeum
  • Membro do Steering Group das Conferências de Bilderberg
  • Actividades no Fórum Económico Mundial
  • Professor honorário do Instituto Politécnico de Macau
  • Membro do conselho consultivo do Women in Parliament
  • Membro honorário da administração da Fundação Jean Monnet para a Europa
  • Seminários e palestras na Universidade Católica de Leuven
  • Professor visitante da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
  • Eventos com o Speakers Bureau in Londres e Washington
  • Professor visitante da Universidade de Genebra
  • Seminários e palestras na Universidade de Genebra
  • Professor visitante do Graduate Institute of International and Development Studies de Genebra
  • Professor visitante na Universidade da Califórnia
  • Co-Presidente honorário do Centro Europeu para a Cultura
  • Presidente honorário do comité honorário da European Business Summit
  • Presidente emérito do Teneo Leadership Institute da Universidade de Cornell
  • Presidente da Fundação do Palácio das Belas Artes de Bruxelas

Em Portugal, Barroso foi sub-secretário do Ministério dos Assuntos Internos, em 1985, e ministro dos Negócios Estrangeiros em 1992. Entre 2002 e 2004, ocupou o cargo de primeiro-ministro da República Portuguesa.

A 23 de Novembro de 2004, Durão Barroso assumiu as funções de presidente da Comissão Europeia, tendo sido reconduzido no cargo em Novembro de 2009, após ter sido reeleito pelo Parlamento Europeu a 16 de Setembro.

No comunicado enviado à comunicação social pela Goldman Sachs, pode ler-se: “A perspectiva, capacidade de julgamento e conselho vão acrescentar grande valor ao nosso ‘board’ de directores”.

O banco apresenta ainda uma pequena biografia de Durão Barroso, passando pelo seu percurso político em Portugal e na Europa e ainda pelos vários cargos que acumulou antes e depois da carreira pública. Entre eles estão o cargo de professor na Universidade de Georgetown, antes de se filiar na política.

Além destas variadas posições, “José Manuel”, como lhe chama o comunicado da Goldman Sachs International, já foi galardoado com vários prémios, incluindo a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jaleco
    01 ago, 2016 Odivelas 13:57
    Na lista ainda lhe falta um cargo, que eu saiba o cargo mantem-se por o não ter, ainda, abjurado. Membro do grupo das Lajes - que apoiou a instalação política da guerra do Iraque. Se eu fosse iraquiano não lhe estava grato.
  • maria almeida
    09 jul, 2016 lisboa 23:22
    infelizmente é um caminho previsível em Portugal, em que os cargos políticos e os favores inerentes, são uma garantia de futuro em áreas nas quais nunca tiveram vocação e a actuação foi através do seu lugar político.
  • Luis
    09 jul, 2016 Lisboa 07:39
    A carne de porco está altamente inflacionada.
  • T. Salvado
    09 jul, 2016 New York 00:08
    Durao Barroso, demostrou sempre o seu valor o que e o orgulho dos Portugueses. Os meus parabens e continuacao de muitas Felicidades na nova posicao.
  • Soueumeu
    08 jul, 2016 Lisboa 21:59
    " O seu comentário "
  • Os comentários
    08 jul, 2016 Lis 18:42
    Vão ficando na gaveta?
  • Astrolabio
    08 jul, 2016 capital 17:47
    O meu comentário sobre esta nomeação foi cortado porquê, RR?
  • Este farsola
    08 jul, 2016 Lx 17:43
    Tal como o outro da mesma escola, seu amigalhaço, que por cá esteve como alegado primeiro-ministro durante 4 anos, esteve sem trabalho durante meses a seguir a sair da presidência da comissão europeia! O homem já andava deprimido a correr para os centros de emprego e já não tinha direito ao subsidio de desemprego! Portanto lá apareceu uma alminha caridosa que teve pena dele e lhe arranjou um lugarzito para que ele não continue a tomar os antidepressivos que tão mal fazem! Animem-se é um português que foi salvo do desemprego!...
  • Manuel Silva
    08 jul, 2016 Pombal 17:43
    O que será que este homem fez, para ter tanta saída, uma coisa sei não fez nada de bom, porque aqueles que primam pela retidão nunca alcançam esta notoriedade.
  • ana
    08 jul, 2016 lx 17:38
    aaaa