O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​Promessa do Governo em “stand-by”. Portagens afinal não descem já

08 jul, 2016 - 07:53

Impasse nas negociações com concessionária da A23 está a impedir a implementação da medida. Ministério do Planeamento quer introduzir os descontos simultaneamente em todas as vias abrangidas.
A+ / A-

É um travão a fundo numa promessa do Governo de António Costa. Afinal, os prometidos descontos nas portagens das auto-estradas do interior e do Algarve não vão acontecer, pelo menos, para já.

De acordo com a notícia avançada pelo “Jornal de Notícias” (JN), o executivo considera que ainda não há condições para avançar com as reduções antes do Verão, como tinha sido anunciado. Ainda segundo o jornal, que cita fonte do Ministério do Planeamento, a medida só será posta em prática quando for possível fazê-lo simultaneamente em todo o país.

Em causa está o acordo necessário para a renegociação dos valores com a concessionária da A23. Desde Abril que o Governo diz estar em condições para avançar com a medida, desde que a detentora do contrato de concessão da via que liga a Guarda a Torres Novas aceitasse os novos valores propostos pelo Ministério do planeamento. Terá sido o impasse nestas negociações que, segundo o JN, a impedir que Pedro Marques cumprisse a promessa feita em Abril.

Contactado pela Renascença, o Ministério do Planeamento reafirma que a medida é para avançar ainda durante este verão, mas não adianta uma data certa. A mesma fonte garante que nunca houve intenção do Governo de adiar a implementação da medida. O Ministério refere ainda que as negociações com a concessionária da A23 vão no bom caminho e que em breve existirão novidades nesta matéria.

Além da A23, seriam contempladas com reduções nas portagens a A24 no interior norte, a A25 na Beira litoral e a A22 ou Via do Infante no Algarve.

O Parlamento aprovou a medida no início do mês de Maio. O projecto de resolução, apresentado pelo PS, foi aprovado com os votos socialistas, do PCP, do BE, do PEV e do PAN e a abstenção do PSD e do CDS.

[notícia actualizada às 8h58]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Isaura
    08 jul, 2016 Lisboa 12:35
    A Ponte 25 de Abril, (Ex-Ponte SALAZAR) feita por SALAZAR está paga à muitos anos....muitos anos....Era obrigação dos DONOS DE PORTUGAL não se apropriarem do seu nome e servirem-se deste Património como fonte de receita vitalícia....Enfim....democratas da TRETA. A Nação precisa de DEMOCRACIA MAS SÉRIA....O Ditador não tinha computador mas fez as contas certinhas...O Tribunal de Contas sabe disso...Não houve desvios....Hoje com os TRETAS o Tribunal de Contas que se pronuncie....
  • VICTOR MARQUES
    08 jul, 2016 Matosinhos 12:19
    A surpresa disto tudo reside no silêncio sepulcral dos partidos que apoiam a Geringonça! Ora, estão mansinhos porque chegaram ao poder! Ó Zé tem paciência! "Não há mal que se dure"...
  • Miguel
    08 jul, 2016 Esposende 11:56
    Então e a A28? E a A41? Se é para todo o Pais não deveriam estas também ser contempladas???....Ah pois...esqueci me... o Norte litoral parece que às vezes não faz parte de Portugal, é mais uma região periférica da Vizinha Galiza...Continuamos a trabalhar para todos mas os benefícios são apenas para alguns.! A alternativa EN13 para quem usa a A28 não é solução...Ah pois...esqueci me...quem decide estes assuntos nunca por lá deve ter passado com certeza, pois há uma tendência clara de apontar para Sul...
  • Isaura
    08 jul, 2016 Lisboa 11:32
    Gostava de ver um estudo sobre a rentabilidade das portagens por concessionário.
  • Isaura
    08 jul, 2016 Lisboa 11:26
    Tudo conversa da TRETA....Os comunistas e xuxas gostam muito do dinheiro dos OUTROS...e de viver à grande e à FRANCESA.....
  • Anibal
    08 jul, 2016 Vila Grande 11:23
    A sério????????? Então e a Santa Catarina e o São Jerónimo não fazem nada?
  • Manel das Coves
    08 jul, 2016 Alverca 11:14
    Quem utilizar tem de pagar, desde que tenha alternativa, o que não acontece nas pontes em Lisboa.
  • Madala
    08 jul, 2016 Évora 11:09
    Isto como tudo...fazem promessas e depois acabam por as adiar. Admira-me a esquerda reaça engolir tantos sapos, em especial o Jerónimo já que das esganiçadas se pode esperar tudo. Estão a chegar à conclusão que afinal não há dinheiro. Ai se fosse o Passos Coelho ... era o Carmo e a Trindade! Geringonça.....
  • Alberto Martins
    08 jul, 2016 Lisboa 10:21
    O concessionário da A23 devia ser preso juntamente com passos coelho que foi quem autorizou a pouca vergonha. Na A23 pela mesma distância paga-se o dobro ao kilómetro do que se paga na A1. Na A1 temos 3 faixas de rodagem para cada lado, traçado mais seguro e cómodo para a condução. Pergunta-se que negociata foi esta? Quem do governo passos/portas meteu milhões ao bolso? Que se aplique o principio do utilizador/pagador mas com equilibrio e razoabilidade. No tempo da dupla maravilha foi dado dinheiro aos desbarato aos amigos enquanto andávamos sujeitos ao colete de forças da troyka. Nas scuts foi um regabofe. Passámos de não pagar para pagar mas dando milhões aos amigos. Tal como se deu em tempo de resgate mais de 400 milhões de euros aos colégios privados sem qualquer controle.
  • Fernandp
    08 jul, 2016 Lisboa 10:02
    Com promessas e bolos se enganam os tolos