O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​Promessa do Governo em “stand-by”. Portagens afinal não descem já

08 jul, 2016 - 07:53

Impasse nas negociações com concessionária da A23 está a impedir a implementação da medida. Ministério do Planeamento quer introduzir os descontos simultaneamente em todas as vias abrangidas.
A+ / A-

É um travão a fundo numa promessa do Governo de António Costa. Afinal, os prometidos descontos nas portagens das auto-estradas do interior e do Algarve não vão acontecer, pelo menos, para já.

De acordo com a notícia avançada pelo “Jornal de Notícias” (JN), o executivo considera que ainda não há condições para avançar com as reduções antes do Verão, como tinha sido anunciado. Ainda segundo o jornal, que cita fonte do Ministério do Planeamento, a medida só será posta em prática quando for possível fazê-lo simultaneamente em todo o país.

Em causa está o acordo necessário para a renegociação dos valores com a concessionária da A23. Desde Abril que o Governo diz estar em condições para avançar com a medida, desde que a detentora do contrato de concessão da via que liga a Guarda a Torres Novas aceitasse os novos valores propostos pelo Ministério do planeamento. Terá sido o impasse nestas negociações que, segundo o JN, a impedir que Pedro Marques cumprisse a promessa feita em Abril.

Contactado pela Renascença, o Ministério do Planeamento reafirma que a medida é para avançar ainda durante este verão, mas não adianta uma data certa. A mesma fonte garante que nunca houve intenção do Governo de adiar a implementação da medida. O Ministério refere ainda que as negociações com a concessionária da A23 vão no bom caminho e que em breve existirão novidades nesta matéria.

Além da A23, seriam contempladas com reduções nas portagens a A24 no interior norte, a A25 na Beira litoral e a A22 ou Via do Infante no Algarve.

O Parlamento aprovou a medida no início do mês de Maio. O projecto de resolução, apresentado pelo PS, foi aprovado com os votos socialistas, do PCP, do BE, do PEV e do PAN e a abstenção do PSD e do CDS.

[notícia actualizada às 8h58]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.