A+ / A-

Prisão perpétua para responsáveis por genocídio no Ruanda

06 jul, 2016 - 20:59

Tito Barahira e Octavien Ngenzi foram julgados em França por envolvimento num ataque contra a etnia Tutsi, na cidade de Kabarondo, onde foram autarcas.
A+ / A-

A justiça francesa condenou esta quarta-feira dois cidadãos ruandeses a prisão perpétua por genocídio e crimes contra a humanidade no Ruanda, em 1994.

Tito Barahira, de 65 anos, e Octavien Ngenzi, de 58, foram julgados por envolvimento num ataque contra a etnia Tutsi, na cidade de Kabarondo, onde foram autarcas.

Os dois acusados negaram qualquer participação nos massacres. Philippe Meilhac, advogado de Tito Barahira, disse que o seu cliente deverá apresentar recurso da sentença.

Vários processos relacionados com o genocídio no Ruanda têm sido julgados nos últimos anos noutros países. Em França, este é o segundo caso a ir a tribunal.

As organizações de defesa dos direitos humanos pedem julgamentos mais rápidos nos casos que se encontram em investigação, enquanto as testemunhas ainda estão vivas.

O genocídio no Ruanda aconteceu há 22 anos. Extremistas da etnia Hutu mataram mais de 800 mil Tutsis e Hutus moderados ao longo de três meses, sem que a comunidade internacional fizesse alguma coisa para travar os massacres.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Orabem!
    07 jul, 2016 dequalquerlado 11:04
    "O genocídio no Ruanda aconteceu há 22 anos. Extremistas da etnia Hutu mataram mais de 800 mil Tutsis e Hutus moderados ao longo de três meses, sem que a comunidade internacional fizesse alguma coisa para travar os massacres." Isto foi de uma desumanidade que não há palavras. Como diz António Costa, ultrapassa mesmo qualquer racionalidade. E estes bandidos da comunidade internacional não deveriam ser punidos pela conivência que tiveram com estes assassinos carniceiros? Por isso nunca acreditei nesta comunidade sem escrúpulos.... VERGONHA.... NOJENTOS!!! Mas no iraque já invadiram para só fazerem m@da....Onde está a indignação e os comentários? Isto não merece palavra? Se for preciso para elogiar a merkel e o shauble aprecem aqui acéfalos com comentários parvos a dizerem tantos disparates a seu favor, mas esquecendo -se das pessoas do seu país que têm sido reprimidos, vivendo sem dignidade e sem culpa pela austeridade que lhes tem sido impostos...
  • indignado
    07 jul, 2016 palhaçada 10:44
    E só agora é que eles são julgados??? NOJO...NOJO... NOJO.... JUSTIÇA DE M@DA.....
  • António Costa
    07 jul, 2016 Cacém 09:23
    Em três meses, 800 mil mortos. Para se ter uma ideia, o Ruanda tem +/- a população de Portugal. A tragédia na Síria já ultrapassou os 200 mil mortos. Em termos relativos, seria como se na Síria tivessem morrido 2 400 000 pessoas em apenas 3 meses. Isto para se ter uma ideia, porque nestes casos a realidade é tão terrível que passa "ao lado" de qualquer tentativa racional, de entender.