A+ / A-

Um terço dos portugueses no Reino Unido falha requisitos exigidos a extracomunitários

05 jul, 2016 - 22:59

Número é avançado pelo secretário de Estado das Comunidades, que desdramatiza a situação.
A+ / A-

Um terço dos portugueses que residem no Reino Unido não preencheria os requisitos impostos aos imigrantes extracomunitários, afirmou esta terça-feira em Londres o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

José Luís Carneiro desdramatiza a situação e refere que o mesmo acontece com cidadãos de outras nacionalidades. Dois terços dos cerca de três milhões de europeus também não preenchem os requisitos actuais de rendimento anual de 20.800 libras (24.500 euros) e qualificações superiores, além de conhecimentos avançados da língua inglesa.

De visita ao Reino Unido, o governante assegura que o Governo português tem ouvido palavras de tranquilidade das autoridades britânicas.

“Os mais de 17 mil britânicos que vivem em Portugal também esperam que estes direitos fundamentais sejam salvaguardados no quadro da EU e foram essas garantias que foram dadas à secretária de Estado dos Assuntos Europeus, mas é um assunto que agora merece o nosso acompanhamento.”

Brexit. No meio da incerteza, há portugueses a ponderar fazer as malas
Brexit. No meio da incerteza, há portugueses a ponderar fazer as malas

O secretário de Estado falava no consulado-geral de Londres, onde voltou a anunciar o reforço de funcionários para dar resposta aos muitos pedidos de informação que têm surgido na sequência do referendo que terminou com a vitória do “Brexit”.

Contas feitas, até ao final do ano entram dois novos trabalhadores em regime de prestação de serviços. Entre este mês e Agosto entra no consulado uma funcionária do Ministério dos Negócios Estrangeiros e e está ainda prevista a entrada, por três meses, de 3 estagiários.

O secretário de Estado das Comunidades, José Luis Carneiro, garante ainda que vai ser aberto um concurso público para contratação de pelo menos mais três funcionários que nunca serão colocados antes do próximo ano.

O governante admite que os reforços vão ser sempre escassos perante as necessidades.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    06 jul, 2016 Santarém 16:28
    Mas afinal nós portugueses somos comunitários ou extracomunitários? Os britânicos esses estão com um pé dentro outro fora da comunidade e com este divertimento atual vão tirar ainda mais partido como de costume e tudo vai ficar na mesma para total desacreditação da UE mas que eu saiba nós não estamos com um pé em Portugal e outro em Marrocos.
  • artur
    06 jul, 2016 Odivelas 14:22
    - Ajudando pessoas a desfrutarem de mais saúde física e financeira: Estando no UK-Reino Unido ou outro País, não importa o motivo, a idade, profissão, condição social ou grau académico, saiba como ter seu negócio hereditário e vitalício ( transmissível para filhos/herdeiros ), promovendo saúde e bem estar às pessoas pelo mundo, para desfrutarem de uma vida com qualidade, pois que interessa viver muito se não for com qualidade?. Solicite informação especificada in box
  • Joana
    05 jul, 2016 Lisboa 23:42
    Não se enervem. Os ingleses não vão accionar o art. 50º do Tratado de Lisboa. Já mostraram que o não querem fazer. Seja pela via de um 2º referendo, seja porque o parlamento inglês não dá, afinal, luz verde ao referendo e ao Brexit, seja porque os jovens vão continuar a gritar que querem permanecer na EU, seja porque a Escócia e a Irlanda do Norte vão continuar a dar murros na mesa e a exigir a independência, isto vai ter um volte-face. Entretanto, a Sra. Merkel dá o sinal para que a calma seja mantida na EU, impede tomadas de posição drásticas contra os ingleses (o que já está a fazer, ao contrário de Hollande), e dá tempo à Inglaterra para emendar a mão. Vai uma aposta? Oh! Que tristes vão ficar os nossos entusiastas caseiros do Brexit! Schade!