A+ / A-

Papa lembra à Europa “as suas raízes cristãs” e exorta a que seja “continente aberto"

02 jul, 2016 - 18:27

Francisco enviou videomensagem para congresso em Munique.
A+ / A-
Europa. Papa quer acabar com os "muros invisíveis"
Europa. Papa quer acabar com os "muros invisíveis"

O Papa apela para que a Europa reflicta, "redescubra a sua vocação de contribuir para a unidade de todos", e acabe com os muros do medo e do egoísmo político e económico, que dividem o continente.

“Para além de alguns muros visíveis, estão a ser reforçados alguns muros invisíveis que tendem a dividir o nosso continente. São muros que estão a ser construídos no coração das pessoas.

Francisco lembra que são “muros feitos de medo e de agressividade, de falta de compreensão por pessoas de diferentes origens ou convicções religiosas. Muros de egoísmo político e económico, sem respeito pela vida e pela dignidade das pessoas”.

Numa mensagem enviada aos participantes do congresso internacional "Juntos pela Europa" que decorreu na cidade alemã de Munique, o Sumo Pontífice defendeu uma Europa centrada na pessoa humana e nos valores cristãos.

“A Europa é chamada a reflectir e a questionar-se se o seu imenso património, permeado de cristianismo, faz parte de um museu ou se ainda é capaz de inspirar a cultura e de doar os seus tesouros à humanidade inteira”, disse.

O Papa acrescentou que toda a unidade autêntica vive da riqueza das diversidades que a compõe. Se a Europa inteira quer ser uma família de povos, que coloque no centro a pessoa humana, que seja um continente aberto e acolhedor, que continue a realizar formas de cooperação não só económica mas social e cultural”.

Neste congresso participaram cerca de duas mil pessoas, oriundas de 200 movimentos e 40 países.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Santos
    03 jul, 2016 Porto 13:56
    Lamento, srs da Renascença, mas é um erro falar de raízes cristãs da Europa. Já havia povos e civilizações antes do cristianismo. Ao contrário do que se diz, a génese do mapa europeu não está na era cristã, é muito anterior. Além disso, todos sabemos que o cristianismo se impôs ao aproveitar, roubar e deturpar ritos pagãos.
  • Afonso
    02 jul, 2016 Lisboa 19:14
    O sr Bergoglio (papa Chico) que deite primeiro abaixo os muros do vaticano e desista das "tropas" suiças.Então poderemos levá-lo a sério