|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Banco de Portugal recebeu quatro propostas de compra para o Novo Banco

30 jun, 2016 - 20:01

Regulador não indicou o nome das entidades interessadas.

A+ / A-

O Banco de Portugal confirma que recebeu quatro propostas para a compra do Novo Banco, sem, no entanto, revelar o nome das entidades interessadas.

"O Banco de Portugal recebeu quatro propostas de aquisição, cuja análise agora se inicia à luz dos critérios de admissibilidade e selecção estabelecidos no caderno de encargos, divulgado no passado mês de Abril", lê-se na nota à imprensa do regulador e supervisor bancário.

Os interessados em adquirir o Novo Banco - o banco de transição que ficou com os activos e passivos considerados não problemáticos do BES - tinham até às 17 horas desta quinta-feira para apresentar propostas.

O Expresso adianta, entretanto, que Santander e BCP acabaram por não fazer proposta final. Segundo a imprensa, foram seis as entidades interessadas que pediram acesso à informação financeira confidencial: os bancos BCP, Santander, BPI e os fundos Apollo, Centerbridge e Lonestar.

O Banco de Portugal tem como objectivo concretizar a venda do Novo Banco este verão, depois de o processo ter sido suspenso em Setembro do ano passado, sendo que o prazo para fazer a alienação ainda se prolonga até Agosto de 2017.

Caso não seja vendido, a hipótese de o Novo Banco integrar a esfera pública está em cima da mesa, dando tempo à instituição para se reestruturar a mais longo prazo antes de um novo processo de alienação.

O Novo Banco é presidido por Eduardo Stock da Cunha, que deverá sair da instituição ainda em Julho para regressar ao britânico Lloyds Bank, do qual é trabalhador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.