O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Miguel Relvas perde a licenciatura

30 jun, 2016 - 14:12

A justiça declarou nula a licenciatura do ex-ministro atribuída pela Universidade Lusófona.
A+ / A-
Miguel Relvas, o mal-amado

O Tribunal Administrativo de Lisboa declarou nula a licenciatura do ex-ministro Miguel Relvas atribuída pela Universidade Lusófona.

A decisão da juíza Isabel Costa foi proferida na quarta-feira. Já foi enviada comunicação da decisão aos advogados das partes, o de Miguel Relvas e da Universidade Lusófona, disse à Lusa fonte do tribunal.

Em causa está a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais obtida por Miguel Relvas naquela universidade.

No processo, o Ministério Público pediu, em 2014, a nulidade do ato de atribuição do grau académico a Miguel Relvas, depois de uma investigação realizada pela Inspecção-Geral da Educação e Ciência (IGEC), determinada pelo ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato.

A IGEC concluiu que Miguel Relvas, que se demitiu do Governo a 4 de Abril de 2013 justificando "falta de condições anímicas", foi considerado aprovado na cadeira de Introdução ao Pensamento Contemporâneo pelo reitor da Universidade Lusófona na altura, Fernando Santos Neves, sem frequência de aulas.

O IGEC concluiu ainda que existia "prova documental de que uma classificação de um aluno não resultou, como devia, da realização de exame escrito", quando, refere-se no relatório, apenas se comprovou "discussão oral de sete artigos de jornal" de autoria de Miguel Relvas.

O Ministério da Educação enviou então para o MP a investigação do IGEC, que incidiu no ano lectivo de 2006/2007.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.