O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Trabalho Sem Fronteiras

Por amor. A vida dos cuidadores de Alzheimer é uma luta

29 jun, 2016 - 19:05 • Ana Carrilho

Dificuldades em lidar com a doença, depressão, problemas financeiros, marginalização social e familiar, dificuldade no acesso ao apoio médico e domiciliário são alguns dos obstáculos que têm que ultrapassar no dia-a-dia. Preocupações que foram partilhando nas redes sociais e que levaram à ideia de fazer um encontro nacional.
A+ / A-

Quarenta e sete milhões e meio em todo o mundo, nove milhões na Europa. Em Portugal há 182 mil pessoas com demência, 80 mil das quais, com Alzheimer. São os últimos números oficiais mas que não reflectem a realidade, bem pior.

Sem boas notícias para dar à sociedade, os especialistas afirmam categoricamente: são doenças do foro neurológico, ligadas ao envelhecimento da população, que vieram para ficar.

Ao lado de cada doente há pelo menos um cuidador informal, geralmente familiar. São pessoas que, frequentemente, abdicam da vida pessoal e familiar para cuidar dos doentes.

Dificuldades em lidar com a doença, depressão, problemas financeiros, marginalização social e familiar, dificuldade no acesso ao apoio médico e domiciliário são alguns dos obstáculos que têm que ultrapassar no dia-a-dia.

Preocupações que foram partilhando nas redes sociais e que levaram à ideia de fazer um encontro nacional.

O apoio financeiro e logístico veio da eurodeputada do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, e do grupo confederal da Esquerda Unitária do Parlamento Europeu (GUE/NGL). A Universidade Católica foi a anfitriã do Encontro Nacional de Cuidadores de Alzheimer, que se realizou no passado dia 18 de Junho.

A Renascença falou com alguns dos participantes sobre o seu dia-a-dia de cuidadores e com a eurodeputada Marisa Matias, vice-presidente da Alzheimer Europe.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cecília Carmen Casem
    04 jul, 2016 Mauá / SP 00:13
    Minha mãe está em estágio inicial.o que faço?
  • Francisco Gomes
    30 jun, 2016 Lisboa 12:56
    ... "Dificuldades em lidar com a doença, depressão, problemas financeiros, marginalização social e familiar, dificuldade no acesso ao apoio médico e domiciliário são alguns dos obstáculos que têm que ultrapassar no dia-a-dia. "... Esta é a realidade com que vivo há dois anos, com maior incidência na dificuldade no acesso ao apoio médico e domiciliário. O resto, é conversa da treta...