|
A+ / A-

FMI quer portugueses a trabalhar mais anos e com menos direitos na reforma

28 jun, 2016 - 08:04

O chefe da missão do FMI em Portugal está em Lisboa para a quarta missão pós-programa de ajustamento financeiro. Mercado de trabalho, reposição da lei das 35 horas, salário mínimo e despesa pública são temas em agenda.

A+ / A-

A reforma das pensões deve garantir que as pessoas trabalhem mais anos, defende Subir Lall, chefe da missão do FMI em Portugal.

Em entrevista à agência Lusa, o representante do Fundo Monetário Internacional afirma que as medidas introduzidas no sistema de pensões nos últimos anos tiveram um impacto muito limitado na despesa, sendo expectável que a despesa venha a aumentar.

Subir Lall explica que, tendo em conta o perfil demográfico de Portugal, cuja população está a envelhecer e cuja esperança média de vida está a aumentar, é expectável que "as pessoas vão trabalhar mais anos", pelo que "é preciso desenhar o sistema de uma maneira que incentive o trabalho" para que o sistema de pensões "se adapte à estrutura do emprego e da demografia".

No relatório "Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal", Subir Lall e outros dois economistas da instituição (Dmitry Gershenson e Albert Jaeger) escrevem que Portugal implementou uma série de medidas no sistema de pensões nos últimos anos – como a introdução do factor de sustentabilidade que indexa as pensões à esperança média de vida, o aumento da idade da reforma para os 66 anos e a suspensão da indexação das pensões ao crescimento e à inflação e a criação de uma taxa de solidariedade para as mais elevadas – mas consideram que o impacto na despesa que decorre destas mudanças "tem sido limitado".

Além disso, prevê-se que a despesa aumente.

Por isso, uma das sugestões é que a reforma das pensões tenha como objectivo reduzir o período de transição para o novo sistema e que os direitos adquiridos para os que ainda não se aposentaram sejam reduzidos.

Lall, Gershenson e Jaeger defendem ainda que esta reforma das pensões "pode contribuir para uma maior participação no mercado de trabalho" e que os próximos passos devem passar por "aumentar a recompensa pelos anos adicionais de descontos para os trabalhadores com baixos rendimentos".

No que se refere às pensões mínimas, a recomendação é que "aumentem em proporção ao número de anos de contribuições, eliminando os aumentos fixos actuais.

Quanto ao compromisso do Governo de não tocar nas pensões já em pagamento, Subir Lall diz que é preciso "esperar pelas propostas específicas”.

A equipa liderada por Subir Lall está em Lisboa para realizar a quarta missão pós-programa de ajustamento. Esta terça-feira, reúne-se com os parceiros sociais, no âmbito do processo de acompanhamento e monitorização da economia nacional.

As políticas do mercado de trabalho e o seu impacto fiscal, incluindo a reposição da lei das 35 horas de trabalho semanal para a função pública, o salário mínimo, a despesa pública e as desigualdades são os temas que constam da agenda do encontro.

Regresso às 35 horas pode ser sinal de sobredimensionamento

O chefe da missão do FMI em Portugal avisa: regresso às 35 horas de trabalho por semana na função pública pode implicar o pagamento de horas extraordinárias e significar que o sector público está sobredimensionado.

Subir Lall considera que a medida “levanta uma série de questões", desde logo "saber qual será o impacto orçamental disso".

"Presumivelmente, em alguns sectores o trabalho que tem de ser feito vai continuar a ter de ser feito. Se o tempo de trabalho é reduzido, então, o pagamento vai ter de ser extraordinário", avalia, prosseguindo: "se todo o trabalho que era feito em 40 horas pode agora ser feito em 35 horas, isso pode sugerir um certo nível de sobredimensionamento em algumas partes do sector público".

Por isso, o economista da instituição liderada por Christine Lagarde considera que "vai ser um desafio reduzir o número de horas de trabalho no sector da saúde sem custos adicionais".

A lei que restabelece as 35 horas como período normal de trabalho na função pública foi publicada em Diário da República a 20 de Junho e entra em vigor a 1 de Julho.

O horário de trabalho na função pública aumentou de 35 para 40 horas semanais em Setembro de 2013, sem o correspondente aumento de salário, o que suscitou a contestação dos trabalhadores e dos seus sindicatos.

Portugal tem de apostar na educação

Subir Lall entende que "há margem considerável para melhorar tanto a eficiência do sistema de educação como os resultados da educação em Portugal", até porque, apesar de terem crescido entre 2000 e 2012, as taxas de frequência continuam baixas.

Os economistas do FMI consideram ser “necessário alinhar o nível do pessoal com a diminuição da população em idade escolar", uma vez que o número de alunos caiu 2,4% entre 1998 e 2012 e deverá cair ainda mais.

Adequar a dimensão dos serviços educativos (tanto a nível da rede escolar como do número de professores) é uma das sugestões, ajustamento que será mais premente em áreas rurais, "onde o ritmo do declínio da população é mais acelerado".

Entre as prioridades elencadas pelos autores está a criação de "um novo sistema de formação vocacional para melhor responder às necessidades do sector privado", de um programa para "reduzir as taxas de abandono escolar precoce e aumentar as taxas de frequência" e também "transferir a tomada de decisão para o nível local".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Amadeu Nogueira
    30 jun, 2016 São Mamede de Inesta 23:22
    Em 31 de Dezembro de 2011 juntamente com mais 41 trabalhadores rescindimos o contacto de trabalho por mútuo acordo. Nessa data o factor de sustentabilidade tinha um corte de cerca de 4% rescindimos com a expectativa que seria esse valor na data da reforma . Quando acabou o fundo de desemprego e no dia 1 de Março de 2015 o corte foi de 13,3%.Foram ou não violadas as nossas expectativas?
  • Jou
    29 jun, 2016 P.. lima 10:23
    Comecem pelos políticos com a anterior presidente da assembleia da república. Faz falta gente a trabalhar nos tribunais para a justiça funcionar. ..
  • J
    29 jun, 2016 Londres 01:20
    xulos ......
  • Jota
    29 jun, 2016 Porto 00:45
    Então sempre compareceu à reunião que convocou?!!
  • ZÉ DAS ISCAS
    28 jun, 2016 LISBOA 23:55
    por estas e por outras é que os jovens não têm emprego. e quando chega a vez deles, ja passaram da idade para trabalhar. ele fala assim porque nao faz nada e ganha muito. qualquer dia estamos a trabalhar (com +/-100 anos) e caimos para o lado, depois é so chamar a funeraria.
  • o anonimo
    28 jun, 2016 lx 16:59
    que vem para aqui debitar deve ter o cerebelo no lugar do cerebro!...Há casos assim! Deficiencias congenitas!...
  • José Luís Silva
    28 jun, 2016 Felgueiras 15:24
    Portugal parece uma coutada dos estrangeiros. Parece que neste jardim à beira-mar plantado, já não vivem portugueses, mas sim robos de um qualquer. Admiro também, o relevo dado pela Emissora Católica Portuguesa, que devia estar preocupada com o seu rebanho e não a expôr as suas ovelhas aos predadores que invadem o país sem o consentimento dos seus cidadãos. Bem sei que as últimas gerações de concidadãos vem perdendo a dignidade, a honradez, o brio de ocuparem e pertencerem a um povo com provas dadas em séculos anteriores. Mas isto é demais!... Estes senhores que se dirijam diretamente a todos os que abusam e abusaram da segurança social e não aos que descontaram toda uma vida para agora terem de suportar os palpites de uma gente que não nos é nada. Que lhes paguem os 760 mil milhões quem os pediu e muito mais quem se abancou a eles. Misericórdia por tão mau gosto na seleção de notícias.
  • P/anonimo
    28 jun, 2016 parvalheira 13:24
    Este anónimo que vem para aqui despejar a diarreia, também faz um comentário com tanta asneira, só para depreciar os funcionários públicos. Assim é que este país vai longe, uns contra os outros, mas percebe-se, ou são cobardes para não enfrentar os patrões do privado, ou são invejosos porque querem submeter os outros a pior, parece impossível mas há gente mesmo como os papagaios, só vêm funcionários públicos. Tanto que eles têm sido castigados, mas para muitos ainda querem mais. Cambada de Burros
  • Misabel
    28 jun, 2016 Almada 13:04
    E pronto falou "o dono de Portugal". com que idade é que esta besta se irá reformar?? O melhor mesmo é exigirem que em todos os locais de trabalho comecem a funcionar agencias funerárias, assim saimos dos gabinetes, entramos nos caixões e cemitério connosco. Foi para isto que se "criou" a União Europeia????? Era preferível cada um estar sossegadinho nos seus países.
  • jose silva
    28 jun, 2016 faro 12:53
    Este snr. deveria abdicar ou doar à organização da ONU para os refugiados 75% dos ganhos que aufere incluindo posteriormente a sua reforma dourada.