O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Revista de Imprensa Europeia

Europa reage com choque e surpresa ao “Brexit"

24 jun, 2016 - 11:30 • André Rodrigues

Opção dos britânicos monopoliza a atenção da comunicação social.
A+ / A-
2016.06.24 Revista 10h30
2016.06.24 Revista 10h30

Um autêntico terramoto que teve já consequências políticas imediatas no Reino Unido.

No “The Telegraph”, “David Cameron anuncia demissão depois do Reino Unido ter chocado o mundo com o voto pelo Brexit”. E a pergunta é: quem será o próximo Primeiro-ministro? As casas de apostas põem tudo em Boris Johnson, o antigo presidente da Câmara de Londres e rosto da oposição a David Cameron dentro do Partido Conservador.

O primeiro-ministro demissionário mantém-se no cargo até Outubro, escreve o “Independent”. Mais abaixo, na primeira página, a expressão desanuviada de Nigel Farrage. O líder dos independentistas britânicos afirma: “vencemos sem uma única bala ter sido disparada”. Do outro lado do mar da Irlanda, o líder do Sinn Fein pede a realização de um referendo à unidade irlandesa depois da Grã-Bretanha ter confirmado a saída.

A expressão austera de David Cameron no momento do anúncio da demissão está em destaque no “The Times” que publica um artigo de opinião de Phillip Collins. Para este analista político, o resultado deste referendo é significativo. No entanto, diz, esta campanha foi “um horror contínuo de 10 semanas. Agora entramos em convalescença”.

Nos tablóides britânicos, “See EU later”, manchete no “The Sun”. No “Daily Star”, “Cam quits”, aludindo à demissão de David Cameron após a vitória do “Brexit”. O “Mirror” fala de um David Cameron “humilhado”.

Por cá, o “Brexit” faz o pleno das primeiras páginas online – as edições em papel foram fechadas ainda antes de conhecidos os resultados finais do referendo britânico. O “Público” diz que “Os britânicos entram em território desconhecido”.

O “Diário de Notícias” escreve que o “Reino Unido votou para sair. Ondas de choque sentem-se em todo o mundo”.

No “Jornal de Negócios”, “Mercados em queda livre” na reacção ao “Brexit”.

O portal “Observador” publica um artigo de opinião de Rui Ramos.

Para este historiador, “O referendo britânico talvez tenha mudado a Europa e o mundo. Mas é importante lembrar que começou como um truque de David Cameron para travar o UKIP. Para evitar uma inundação, deitou fogo à casa”.

Nos Estados Unidos, o “Washington Post” antecipa a desagregação do projecto europeu e admite que os próximos a abandonar o projecto europeu poderão ser a França, a Hungria, a Suécia, Holanda, Dinamarca e Grécia: “Um efeito dominó em curso”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.