A+ / A-

O Reino está dividido, mas "Brexit" vence com 51,9% dos votos

24 jun, 2016 - 07:10

A contagem está fechada. Líder do partido eurocéptico quer negociações imediatas e pede que o dia de 23 de Junho passe a ser feriado.
A+ / A-

Os britânicos escolheram sair da União Europeia. Depois de fechada a contagem dos votos do referendo, 51,9% dos votantes optaram pelo “Brexit” enquanto 48,1% escolheram ficar. Trata-se de mais de um milhão e 200 mil votos de diferença, numa das votações mais participadas (73%).

Os valores foram confirmados em conferência, esta manhã, pela chefe da comissão eleitoral britânica. No final da declarção de Jenny Watson ouviram-se aplausos na assistência.

Por país, Inglaterra e País de Gales votaram a favor da saída (53% e 52%, respectivamente. Já a Irlanda e a Escócia votaram a favor da permanência (55% e 62%).

O líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP). Nigel Farage, já veio declarar vitória. "É o nosso dia da independência", afirmou. "A União Europeia está a cair, está a morrer. Nós atirámos o primeiro tijolo do muro. Espero que este seja o primeiro passo em direcção a uma Europa de nações soberanas", acrescentou, em tom triunfante.

Na sua opinião, é urgente começar as negociações para a concretização da saída do Reino Unido.

"Estamos agora livres para estabelecer os nossos próprios acordos comerciais e de associação com o resto do mundo. Com este resultado, deixámos para trás uma união política fracassada e damos a possibilidade de reintegrar uma economia mundial globalizada do século XXI", afirmou.

Nigel Farage apelou também à necessidade de existir "um governo do Brexit" e quer que o dia 23 de Junho passe a ser feriado nacional. "Vamos chamar-lhe Dia da Independência", afirmou.

Está decidido. 52% dos britânicos escolheu o Brexit
Está decidido. 52% dos britânicos escolheram o Brexit
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Viriato
    24 jun, 2016 Portugal 16:13
    Este é um grande dia para os povos europeus e democratas...e é um péssimo dia para os parasitas que mamam dos meus impostos que vivem como não os deixam viver nos países de origem, vide os que invadem o meu país vindo dos C.P.L.P. onde encontram aqui a África que não os deixam ter lá. é a Europa da Babilónia, do lobbies gay, neo liberal e da comunicação da esquerda caviar que intoxica as mentes dos mais jovens. Mas isto vai mudar e a seguir é a França. A Europa aos Europeus!
  • Parabéns p/ coragem
    24 jun, 2016 dooutrolado 10:29
    Parabéns pela coragem. Pois alguns países como portugal vivem sufocados nesta união da treta, subjugados e a viver dia a dia cada vez pior e sem dignidade, pelas politicas impostas por quem tem mais poder de esmagar os mais fracos. E somos invadidos todos os dias por comentadores e até por meios de comunicação ligadas a grupos de interesses, sobre a politica do medo. Fazem de tudo para lavarem o cérebro às pessoas. Passou-se do fascismo, do silenciar através da punição, para o poder da comunicação e da manipulação. A europa só pode ser boa quando respeita também as decisões de cada país e quando há igualdade. Admite-se numa Europa haver desigualdades e quem domina é sempre os mais fortes e os outros servirem de fantoches??? Que união é esta que quando se compara o salário minimo entre os vários países somos os mais indignos? Somos os quem paga a electricidade, a gasolina, produtos alimentares mais caros que os outros, depois as politicas adotadas por esta união europeia sem prinicpios, só vê sempre os mais fracos: trabalhadores e reformados. Enquanto muitos dos corruptos e ladrões estes vão ficando impunes. Às vezes até me admira como é que há pessoas que não vêm, o certo é que não querem ver, porque há interesses ou ignorância...
  • Noel Cardoso
    24 jun, 2016 Loulé 10:24
    Não me surpreendeu este resultado, para ser sincero até pensei que seria por uma diferença mais alargada. A partir do momento que o tema "refugiados" foi colocado em cima da mesa, não duvidei desta vitória e se me permitem, na minha opinião, o acolhimento de refugiados deveria ser "referenciado" em todos os países da UE, porque é a população que tem que conviver com eles e penso que tem o direito de escolher.
  • Bruno Basto
    24 jun, 2016 Alenquer 10:14
    Estes infelizmente aproveitaram o medo das pessoas, pelo terrorismo e a imposição da união dos estados serem obrigados a aceitar esta vaga de emigrantes, que tambem já não se entende uma vez que eles vêm da Siria (muito bem pois fogem da guerra) mas agora está a haver um aproveitamento de certas pessoas para procurar uma vida melhor. Se eu se quiser ir para o Canadá tenho de obedecer a requesitos rigorosos e não entro á força.
  • Albanz
    24 jun, 2016 Lisboa 08:57
    Brexit igual a: City passa para Dublin, Irlandeses não irão agradecer o suficiente. Scotexit=fim da Grã-Bretanha, Escoseses saem em referendo e aderem à UE. Libra cai a pique, bom, daqui a um ano e meio sai barato as férias em Londres. Unificação virtual da Irlanda, além de várias áreas em comum, as duas Irlandas fazem acordo trans-fronteiriço de liberdade de bens e pessoas. Três horas de seca nos aeroportos e postos fronteiriços ao lado de nacionalidades com quem não simpatizavam (ui, Kosovares, how dreadful) Parabéns, old chaps, acabaram de dar um tiro no pé.