O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Governo ordena auditoria independente à Caixa

23 jun, 2016 - 14:44

Executivo quer "conter" "perturbação". "A Caixa não pode ser instrumento partidário", diz Centeno.
A+ / A-

O Governo incumbiu esta quinta-feira a nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) de fazer uma "auditoria independente" aos actos de gestão do banco "praticados a partir de 2000".

Depois da reunião do Conselho de Ministros, o ministro das Finanças disse esperar que esta auditoria possa esclarecer dúvidas e travar a "perturbação" sobre o banco.

"A forma de conter essa perturbação passa claramente por dar este sinal do Governo de que aquilo que é o passado da CGD possa ser analisado neste momento de transição", vincou Centeno.

O ministro nunca citou directamente a antiga titular da pasta das Finanças, mas no comunicado do Conselho de Ministros é realçado que "membros do governo anterior, nomeadamente a ex-ministra das Finanças [Maria Luís Albuquerque], suscitaram dúvidas sobre a legalidade de actos de gestão praticados até 2015, relativamente aos quais nunca solicitaram informação adicional".

"A Caixa não pode ser instrumento partidário. É uma empresa que funciona num mercado muito competitivo e todos temos de contribuir para a garantia de que a Caixa é um banco sólido, supervisionado", prosseguiu Mário Centeno.

O titular da pasta das Finanças realçou que a auditoria será pedida "não obstante" os vários mecanismos de controlo existentes a nível de regulação e supervisão, não só de entidades portuguesas mas também de organismos europeus.

"Este processo será articulado dentro da CGD pela nova administração da forma mais natural. As auditorias são processos naturais na vida das empresas, em particular com a relevância económica e financeira das que operam no sistema bancário", acrescentou ainda o ministro das Finanças.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • humberto
    23 jun, 2016 US A 19:45
    NEM PSD, e PS,SERVEM PARA GOVERNAR O PAIS,JA PERDERAO A VERGONHA E O RESPEITO,SO FALTA DIZEREM QUEM MAIS ROUBOU,E CONTINUAM A ROUBAR! OS CHICOS ESPERTOS FICAO DE FORA POEEM TESTAS DE FERRO,COMO COELHO E SOCRATES NEM A CASA DELES SAVEM GOVERNAR.COMO PODEM GOVERNAR UM PAIS!E TEMPO DE PEDIR CONTAS E POR TODA ESSA ESCUMALHA POLITICA A TRABALHAR E PAGAREM IMPOSTO COM O QUE PRODUZEM.A 15 ANOS ATRAZ OS IMPOSTOS ERAM MENOS DE 70% DE HOJE,O DINHEIRO ,HOJE NAO CHEGAVA,QUEM COME TANTO HOJE,E DESMASCARAR TODA A ESCUMALHA E LIMPEZA GERAL,E OS CHUPISTAS!JA SECARAM O DINHEIRO O POVO COM IMPOSTO DE 23% POR UMA COMIDA DE CASA, 80% DO GAZ,CA80% NOS CARROS PORTAGEM OUTRA LADROAGEM,E MUITOS MAIS,SECARAO OS BANCOS COM OS OLFSHORES .JA VAI NA CAIXA ,UNS MESES MAIS ENTRAO PELAS CASAS A DENTRO DE PISTOLA EM PUNHO...EMPRESARIOS,PESSOAS DE BEM,COMERCIANTES.POVO TRABALHADOR ,VAMOS TOMAR DECIZOES.OS PARTIDOS NAO TEEM MAIS CONDICOES DE GOVERNAR MAIS,UMA PERGUNTA .ALGUEM CONHECE UM PAIS DA ESQUERDA QUE DA QUALIDADE DE VIDA OS CIDADOES......................................!
  • jose Magalhães
    23 jun, 2016 Lisboa 17:53
    Bravo Sr. primeiro ministro. Assim, se corta o mal pela raíz. Mas parece-me que não se vão acabar as dúvidas por aqui. O Coelhinho e a Dona de casa nunca tiveram dúvidas, se as tivessem já teriam tomado esta atitude nos quatro anos que lá estiveram. Querem é propaganda eleitoral, mesmo que depois do tempo. ( Tál é a dor de corno). Mas olhe, eles agora vão pedir uma nova Comissão de Inquerito cuja missão será exatamente inquirir a primeira nomeada. E assim continuaremos... são gente valente e que não se deixa enganar, não é? E que se lixe o herário público. Pela verdade, ... Coelhinho à Presidencia.
  • Tinicom
    23 jun, 2016 Porto 17:31
    Não devemos permitir mais dinheiro para bancos , o que já foi dado seria o suficiente para acabar com a crise ou pelo menos atenuar. Aonde estão os milhares de milhões de lucros vistos no inicio da década?
  • Fernando Alves
    23 jun, 2016 Avanca 17:22
    A CGD até pode de facto ser uma instituição que se move num mercado extremamente competitivo mas é pública e quando é preciso é o dinheiro estatal que entra. Por isso, seja simpático ou não, uma comissão de inquérito é tão adequada como as que foram feitas para BPN, BES ou BANIF. Se entra dinheiro público, o cidadão tem o direito de saber o porquê!! O resto são tretas!
  • Leunam
    23 jun, 2016 Sesimbra 17:03
    Se descobriram que alguém andou a encher os bolsos não se admirem. Façam auditoria e seja rápidos, pois há quem queira comissões do Parlamento para ganhar tempo.
  • JP
    23 jun, 2016 Lisboa 16:57
    A geringonça tem a caixa de velocidades a trabalhar bem já entraram várias mudanças e todos funcionam. Esta é mais uma. Aliás é engraçado que a direita radical acompanhada de quando em vez pela extrema direita foi a primeira força do antigo arco do poder, arco da governação mais tarde arco europeu que, pediu inicialmente está auditoria à caixa. Só que, segundo se percebe queriam ser eles a escolher os auditores com os resultados que conhecemos nomeadamente no setor bancário.
  • NL
    23 jun, 2016 Ermesinde 16:24
    "TERMOS E CONDIÇÕES Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados" .
  • nunito
    23 jun, 2016 aveiro 16:10
    Acho muito bem pois deveria ser um banco público e não prejudicar os clientes o que não acontece pois os custos das operações cada vez são maiores é o descalabro da manutenção das contas, ainda gostava de saber para onde vai o nosso rico dinheirito que nos roubam diariamente. Com a noticia lançada ontem onde consta que até julho de 2017 o fisco ficará a saber o pouco que se consegue por de lado é um apelo a que se volte aos bons e velhos tempos fazer o banco debaixo do colchão, entregar cartões levantar os míseros ordenados e deixar os bancos às moscas.
  • joao
    23 jun, 2016 portugal 16:04
    andam a reboque dos outros e depois querem fazer querer que sempre quiseram....geringonça
  • Claro!
    23 jun, 2016 lis 16:02
    Doa a quem a doer!... Mas parece que os direitolas que mais tempo geriram a Caixa é que não ficarão muito satisfeitos! Andaram a fazer jogadas de farsa com pedidos de comissões de inquerito, para tentarem enganar os incautos e ganharem tempo!...Eles sabem que as comissões de inquerito duram meses!...